Equipa d´O Ciclista

Clube de Jornalismo O Ciclista:

Professoras: Dra. Graça Matos e Dra. Sara Castela

Alunas: Adriana Matos, Ana Neta, Beatriz Agante, Matilde Santos e Sofia Pedrosa

Alunos: Daniel Almeida, Henrique Ferreira, João Rocha e Tomás Antunes

Dra. Miquelina Melo – Membro Honorário

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Viver na cidade ou aldeia? Eis a questão!



Sem dúvida que viver na cidade não é assim tão mau de todo. Falo até por experiência própria. É pois de salientar que, na cidade, há a existência de muito comércio e o número de população existente é muito elevada.
Por outro lado, temos maior acesso a diferentes e diversos serviços como tribunais, supermercados, escolas, hospitais, entre outros e dos quais necessitamos diariamente. Com isto, também temos mais facilidade em arranjar emprego, o que não acontece numa aldeia. Em contrapartida, temos como desvantagens a poluição porque, como é uma área de muita indústria e comércio, a probabilidade de haver poluição é elevada, para além de haver mais acidentes, pois há mais movimentação nas estradas e o perigo aumenta.
Na aldeia, a realidade é bastante diferente. Em termos de população, esta é muito reduzida, pois é um lugar pequeno com pouco movimento e em termos de acesso a estabelecimentos torna-se mais escasso porque, como é uma zona mais rural, esses estabelecimentos situam-se a distâncias com alguma dificuldade de acesso. Daí as suas vantagens serem muito poucas ou quase nenhumas. No que diz respeito às desvantagens, a meu ver, tem muitas, entre as quais o escasso acesso ao comércio, a falta de transportes, como já disse anteriormente. Embora, na aldeia, a vida seja mais calma, o que no fundo é uma grande vantagem, uma vez que não há muitas confusões.
Perante o exposto e para finalizar, provavelmente gostaria de viver em ambos os locais porque ambos têm o seu lado positivo e negativo, ou seja, o lado calmo do campo que é bom, mas o lado citadino mais barulhento colocando, apesar de tudo, à nossa disposição vários serviços que fazem parte do nosso dia à dia.
Catarina Marques, nº 6, 9º A - Vilarinho

Sem comentários:

Enviar um comentário