Equipa d´O Ciclista

Clube de Jornalismo O Ciclista:

Coordenação: Dra. Graça Matos e Dra. Sara Castela

Alunas: Adriana Matos, Ana Neta, Beatriz Agante e Matilde Santos

Alunos: André Castro, Henrique Ferreira

Dra. Miquelina Melo – Membro Honorário

Endereço de correio eletrónico - cj.eb23anadia@gmail.com

quarta-feira, 22 de abril de 2015

É apenas uma opinião…



Há dois ambientes a serem escolhidos para se viver: o campo ou a cidade. E é, de facto, evidente que os dois apresentam vantagens, mas também têm as suas desvantagens.
A cidade, em primeiro lugar, apresenta-se como um espaço mais propício para a socialização, proporcionando ao cidadão a possibilidade de recorrer a espaços comerciais, para além de lhe apresentar vários espaços públicos, onde poderá conviver com várias pessoas, por exemplo, num restaurante, cafés, bares, parques, praças, tendo também uma vertente cultural, uma vez que poderá ir aos museus, a uma biblioteca, ao teatro, a salas de espetáculos, entre outros.
Eu acho assim que é mais alegre viver numa cidade, cheia de gente, de casas, de estradas e carros. Adoro, em dúvida, a agitação que paira no ar! Mas reconheço que também é preciso termos muito cuidado quando andamos na estrada, principalmente quando estamos a atravessar uma passadeira, visto que nem sempre somos vistos. Outro inconveniente é o facto de a vida ser mais cara, nomeadamente no que diz respeito à aquisição de bens de primeira necessidade. Em contrapartida, o campo é mais calmo, pacífico, sossegado e como tal, podemos descansar melhor e estar mais tranquilos. Para além disso, oferece mais espaços verdes. Por outro lado, podemos brincar com os vizinhos na rua, porque há muito menos movimento, quer seja de automóveis, quer até de pessoas. No entanto, não podemos dirigir-nos, por exemplo, a um centro comercial, a um hospital, entre outros locais que proliferam na cidade.

Em suma, para mim, viver na cidade é, sem dúvida, melhor, já que estamos perto de tudo e de todos. Esta é, pois, a minha opinião! E a tua, qual será?
Marta Ferreira, nº 17, 9º E

Sem comentários:

Enviar um comentário