Equipa d´O Ciclista

Clube de Jornalismo O Ciclista:

Coordenação: Dra. Graça Matos e Dra. Sara Castela

Dra. Miquelina Melo – Membro Honorário

Endereço de correio eletrónico - cj.eb23anadia@gmail.com

sábado, 30 de abril de 2011

Dia do Trabalhador

1 de Maio de 2011
A celebração do 1º de Maio como Dia do Trabalhador remonta a 1886. Neste ano milhares de trabalhadores norte americanos manifestaram-se pelas ruas de Chicago. Reivindicavam a redução da jornada de trabalho para 8 horas diárias. Nesse mesmo dia nos EUA iniciou-se uma greve geral. A 3 de Maio assistiu-se a confrontos com a polícia dos quais resultaram a morte de alguns manifestantes. A 4 de Maio realizou-se nova manifestação organizada em protesto pelos acontecimentos dos dias anteriores. O lançamento de uma bomba por desconhecidos para o meio dos policiais, que começavam a dispersar os manifestantes, mata sete agentes. Este acto determina o término da manifestação, com a morte de mais doze pessoas e dezenas de feridos, fruto dos disparos efectuados pela polícia sobre a multidão. Estes acontecimentos ficaram conhecidos como a Revolta de Haymarket.
A 20 de Junho de 1889, a segunda Internacional Socialista, reunida em Paris decidiu por proposta de Raymond Lavigne convocar anualmente uma manifestação em luta pelas 8 horas de trabalho diário. O 1º de Maio foi escolhido de modo a homenagem a luta sindical efectuada em Chicago.
A 1 de Maio de 1891 uma manifestação no norte de França termina quando a polícia atira sobre os manifestantes e mata dez pessoas. Esse acontecimento reforça a luta dos trabalhadores neste dia e activa meses depois a proclamação pela Internacional Socialista, em Bruxelas, deste dia como dia internacional de reivindicação de condições laborais.
O senado francês ratifica, a 23 de Abril de 1919, as 8 horas de trabalho diário e proclama o 1º de Maio desse ano como feriado nacional.
Em 1920 é a vez da Rússia  adoptar o 1º de Maio como feriado nacional. Procedimento que é seguido por muitos outros países. Contudo, os Estados Unidos da América ainda não reconheceram este como o Dia do Trabalhador. Mas, em 1890 a luta dos seus trabalhadores culminou com a aprovação, pelo Congresso, da redução do dia de trabalho de 16 para 8 horas.
Em Portugal a comemoração do Dia do Trabalhador foi reprimida pela polícia, durante a ditadura do Estado Novo.
A comemoração livre do 1º de Maio  apenas se concretizou a partir da revolução de Abril, ou seja de Maio de 1974.  A partir deste ano este Dia passou a ser feriado nacional, também em Portugal.

A Equipa de O Ciclista

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Dia Mundial da Dança

29 de Abril de 2011


O Dia Mundial da Dança celebra-se neste dia 29 de Abril. O Dia Mundial da Dança  é promovido pelo Conselho Internacional de Dança, organização interna da UNESCO.
A escolha deste dia tem a ver com o aniversário do criador do ballet moderno Jean-Georges Noverre (1727-1810).
A dança está intimamente associada à cultura humana, facto que pode ser confirmado pela História. A dança é sem dúvida uma arte, daí a sua importância na vida de toda a sociedade.
A celebração do Dia da Dança serve, assim, para salientar a sua importância e estimular os governantes de todos os países a integrarem-na nos seus sistemas de educação, desde o ensino infantil ao ensino superior.

Equipa de O Ciclista 

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Dia Mundial da Prevenção e Segurança no Trabalho

28 de Abril de 2011
O Ciclista assinala mais um Dia Mundial da Prevenção e Segurança no Trabalho e, também, em Portugal Dia Nacional de Prevenção e Segurança no Trabalho, instituído pela Resolução da Assembleia da República n.º 44/2001.
A comemoração deste dia mundial realiza-se desde 1996 e foi escolhida de modo a coincidir com as Jornadas Nacionais de Luto do 28 de Abril, já celebradas pelo Congresso Canadiano do Trabalho.
O intuito deste dia é, assim, o de homenagear as vítimas de acidentes de trabalho e doenças profissionais.
A primeira celebração foi levada a cabo pela Organização das Nações Unidas, em Nova Iorque. Neste dia foi aceso um memorial para recordar todos aqueles que perderam a vida enquanto trabalhavam e daqueles que foram vítimas de doenças relacionadas com a sua actividade profissional.
Em 2001 esta comemoração foi reconhecida e apoiada pela Organização Internacional do Trabalho e é Hoje oficialmente celebrada em imensos países.

A Equipa de O Ciclista

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Proibição de fumar em locais públicos


Muitas pessoas adoram fumar e não conseguem largar esse vício. Eu penso que o fumo dos cigarros é prejudicial para todos nós, até para as pessoas que não fumam. Por esse motivo, concordo com a proibição de fumar em locais públicos.
         O cigarro é composto por inúmeras substâncias tóxicas que podem provocar várias doenças, nomeadamente cancro e doenças cardiovasculares. O cigarro pode levar uma pessoa até à morte, uma vez que o fumo é responsável por 30% das mortes por cancro. Além disso, as pessoas que não fumam, mas que respiram o fumo libertado pelos fumadores, são chamadas fumadoras passivas. Fumar passivamente pode provocar as mesmas doenças que fumar activamente. Segundo um estudo, cinquenta mil pessoas morrem anualmente devido ao tabagismo passivo. Por essa razão, considero que os fumadores devem respeitar aqueles que optam por não fumar.
Em conclusão, penso que se deve continuar a proibir fumar em locais públicos. Devemos igualmente incentivar os fumadores a fumar no exterior, longe dos mais vulneráveis, especialmente as crianças, as grávidas e os idosos.

Mauro Barros Mota 9º F

Nota: Texto argumentativo.

terça-feira, 26 de abril de 2011

3º Período

O Ciclista deseja a toda a Comunidade Educativa do Agrupamento um excelente 3º Período.

A Equipa de O Ciclista

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Dia da Liberdade

O golpe de estado militar ocorrido a 25 de Abril derrubou o regime político do Estado Novo, que dominava Portugal desde 1926. Neste dia 25, também denominado dia D, os oficiais intermédios, maioritariamente capitães, da hierarquia militar conduziram esta revolução.
O dia amanhecia e as pessoas reuniam-se nas ruas, solidarizando-se com os soldados. Em dado momento começaram a ser distribuídos cravos vermelhos para os soldados, que logo os encaixaram nos canos das espingardas. Passando esta flor a ser o símbolo da revolução de Abril de 1975 e responsável por um dos nomes por que é conhecida a Revolução dos Cravos. Contudo, é como Dia da Liberdade que é mais famosa, porque trouxe a liberdade ao povo português. No intuito de solenizar a revolução de Abril, este dia foi decretado feriado nacional.

A equipa de O Ciclista

domingo, 24 de abril de 2011

Dia de Páscoa

24 de Abril

O Ciclista deseja a todos uma Páscoa muito feliz.


A Equipa de O Ciclista

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Dia da Terra - 22 de Abril

Um grito de dor ecoou por todo o sistema solar.
O Sol, rei do Sistema, reuniu todos os seus planetas para averiguar o sucedido e, quando estava para iniciar o consílio, viu que lhe faltava o Terceiro planeta, a Terra. Sentindo-se indignado, clamou no seu tom de voz vigoroso: - Terra!
Porém, não obteve resposta.
- Terra! - bradou uma segunda vez. Mas o silêncio manteve-se.
Vénus, com uma vozinha doce e quase inaudível, respondeu:
- Sol, ela não pode comparecer.
- Como é possível?! - vociferou, novamente, o astro-rei e virando-se directamente para Vénus, disse:
 - Ela não sabe que, quando eu chamo, é para comparecer. Como podemos saber quem gritou se o meu planeta inteligente não comparece?
- Sol, o grito foi dela. A Terra está doente! - retorquiu Vénus a medo.
- Então, o calor e a luz que lhe envio não são suficientes? - indagou. - Como pode estar doente? Ela que tudo tem? Água, ar, fogo, vida, …
- O Homem está a atacá-la, ó grande rei. – interromperam-no, em coro, os outros planetas.
- O Homem?! – contrapôs o Sol, com a sua voz de trovão. – Então, eu dei-lhes o meu melhor planeta, com mil e uma riquezas e eles, em vez de usufruírem saudavelmente dele, destroem-no?! Como é possível, com tantos seres que nele habitam, é o mais inteligente que lhe faz mal? Que o destrói? O que vamos nós fazer?
Uns clamaram a sua destruição, outros proferiram um forte castigo, mas uma vozinha doce disse a medo:
- Eles são uns seres bons. A sua ignorância levou-os a actos destruidores, mas eles são capazes de tratar a pobre irmã Terra!
O Sol e todos os outros voltaram-se para Vénus. Ela era tida como a amiguinha predilecta da Terra e boa conselheira do Sol. Começaram todos em grande alvoroço.
Mercúrio,planeta mais próximo do Sol, não queria entrar em conflito nem com o Sol nem com Vénus e preferiu manter-se neutro.
Vénus mantinha a sua posição.
Marte, o Deus da guerra, que sempre sentira muitos ciúmes de Vénus e da Terra por serem, segundo ele, os predilectos do Sol, continuou a clamar a sua destruição.
Júpiter, o maior planeta, que sempre admirara a Terra e nutria uma paixoneta por Vénus, decidiu apoiar a sua amada.
Saturno, o mais belo de todos os planetas, achava a Terra bela, inteligente e boa conselheira. Ele amava-a secretamente.
Úrano,planeta gigante, que não morria de amores nem por Vénus nem pela Terra, exigia a sua punição.

Neptuno, apesar de toda a sua imensidão e mesmo considerando a Terra um planeta minúsculo, concordou com Vénus, pois apesar da sua insignificância, reconhecia o valor da Terra para o equilíbrio do Sistema.
O Sol, após alguns instantes de reflexão, com todos os seus súbditos em alto, clamou:
- Muito bem, já que ninguém se entende, vamos a votos.
- Quem vota por darmos um voto de confiança à Terra e aos Homens que lhe pertencem?
- Dois votos contra. - contou o Sol. – Muito bem! A Terra está salva! Mas, Ela e muito particularmente os Homens têm de ter consciência dos problemas e da necessidade de iniciarem o tratamento da enfermidade da Terra. Têm que iniciar uma política de conservação e de protecção do ambiente, tornando a Terra mais limpa e saudável.
A mensageira foi Vénus, a amiga da Terra.
A Terra e os Homens concordaram.
Vamos todos contribuir para salvar o nosso habitat, o nosso lar!
O Ciclista associa-se à comemoração do Dia da Terra, embora este dia não seja reconhecido pela ONU.

Adriana e Sofia, 7º B3 / O Ciclista

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Inacreditável…


Há algum tempo atrás, num lindo dia de Primavera, o sol brilhava, os pássaros cantavam melodiosamente e cheios de força e alegria como se fosse o último dia das suas vidas. No meio daquele campo verdejante, estava eu sentada sem nenhuma preocupação, a pensar em todos aqueles momentos lindos que passara com a pessoa que amava profundamente. Porém, pouco tempo durou aquela felicidade, quando aparecido do nada, um corvo, trazendo mágoas e tristezas, deixou cair sobre o meu pensamento o pressentimento de que algo de muito errado se passava.
No meio daquele ambiente primaveril que me cercava, desesperada eu estava, tentando saber toda a verdade de algo que se evidenciava terrífico e cruel. Corri, então, atrás daquele corvo, que me levou até um rio e com os raios daquele sol brilhante, perpassando os ramos das árvores e reflectindo-se sobre aquelas águas límpidas e refrescantes, descobri quem era realmente aquela pessoa que dizia que me amava. Ele ali estava de mãos dadas com uma figura feminina, esbelta e radiosa.
Como pôde, quem demonstrava ser tão doce e meigo, ser tão insensível e traiçoeiro?!
Naquele preciso momento, para mim o sol parou de brilhar e tudo aquilo que parecia ser alegre acabou por se transformar num mundo de sombras e de destruição.
A noite, de repente, instalou-se no meu mundo, trazendo a escuridão para dentro do meu coração, de onde provavelmente jamais conseguirá sair.

                                                                       Daniela Félix, 9º F 

terça-feira, 19 de abril de 2011

Como tudo é diferente…


            Nem sempre a vida corre como nós gostaríamos que corresse e às vezes, é de facto difícil conjugar o nosso estado de espírito com o ambiente em que nos encontramos.
Lembro-me de um dia em que tudo à minha volta estava perfeito. O dia estava solarengo, os pássaros cantavam e eu estava rodeada de amigos. Não havia nada melhor, mas infelizmente eu não estava assim tão bem.
No dia anterior, tinha ido a uma consulta, onde o médico me disse que talvez pudesse ter leucemia. Como tu, leitor, deves estar a imaginar, muitas coisas surgiram na minha cabeça.
Mesmo não estando bem, nunca gostei e continuo a não gostar de mostrar às pessoas quando estou mal. Ora, se as pessoas estão felizes porque hei-de eu estragar essa felicidade?!
 Mesmo sendo difícil abstrair-me do que o médico me tinha dito, exteriormente entrei na alegria e na perfeição do dia em que me encontrava.
 O dia passou e as pessoas não perceberam que algo me atormentava. Era mais um dia de aulas, o dia chegava ao fim e eu lá tive de voltar para casa e mal cheguei, encaminhei-me de imediato para o meu único refúgio, o meu quarto.
               No meu quarto, um espaço só meu, tudo muda, já não tenho os amigos comigo, nem razões para mostrar que estou bem, quando na verdade estou preocupada e triste.
               Nesse dia, mal entrei no meu quarto, sentei-me na cama com os problemas presentes no meu pensamento (aliás, eles nunca saíram de lá!) e para me abstrair da situação, pensei: amanhã é mais um dia, mais um dia em que terei de converter a angústia e o choro em alegria e sorrisos. E de facto, esperava consegui-lo porque, mesmo sabendo que os meus amigos se preocupavam e se preocupam comigo e que iriam tentar animar-me, preferi que eles não soubessem, pois animar-me-iam de igual modo e sem aquele sentimento que, se eu contasse, certamente iria surgir: a pena!
               Dias depois, as incertezas foram clarificadas e eu felizmente pude respirar de alívio.
                Para finalizar este meu texto, dirijo-me agora a todos aqueles que se encontram na mesma situação em que eu me encontrava: são várias as perguntas e as dúvidas que surgem na nossa cabeça, quando somos surpreendidos duramente pela vida, mas há que ter fé e esperança.

Ana Carolina, 9º E

domingo, 17 de abril de 2011

No meio da multidão

                 Encontro-me rodeado de alegria e de felicidade que paira em todos os cantos pelos quais eu passo. Vejo-me cercado de árvores florescidas e animais a cantar, crianças sorridentes e pessoas em pequenas conversas animadas, mas mesmo assim, como um contraste de diversas cores, sinto-me apartado da multidão.
                    Vou à praia, vejo o mar infinito e o céu límpido e então, sinto-me melhor, pois no vasto areal as minhas lágrimas, que mais parecem pequenas estrelas cintilantes, caem e rapidamente, se escondem por entre as pedrinhas de areia.
                    Ao cair da noite, fixo o meu olhar nas verdadeiras estrelas do negrume do céu e abstraio-me da realidade, dando-lhes nomes estranhos. Afinal, sozinho como me sinto, tempo tenho eu para tudo.
                    Momentos depois, olhando para o grande universo, sinto o meu peito mais preenchido, vejo a imensidão do espaço e reparo no meu vazio, que teima em prevalecer.
                     No entanto, num dia de chuva, raios governam o céu, as nuvens choram, mas alegre o meu coração está. Nesse ambiente que se faz sentir, não me sinto sozinho, pois estou acompanhado pela Natureza. Alguém partilha assim a minha dor, que eu não desejo a ninguém e pouco a pouco, ela desvanece.
                     De repente, apetece-me fugir, encontrar uma saída, esconder-me do sofrimento, perante a angústia de morrer. Mas, encontrando a saída, apercebo-me de algo importante: uma saída é sempre uma entrada para outro lugar. Saio então da infelicidade e na alegria eu entro, contente e feliz me sinto, sozinho já não estou. E no meio da multidão, já sou uma pessoa comum como as outras e apartado da multidão jamais me sentirei!

Kewin Neves, nº 12, 9º F

sábado, 16 de abril de 2011

O ambiente e nós!


Nem sempre o nosso estado de espírito se assemelha ao ambiente que nos rodeia. Às vezes, o ambiente é alegre e sentimo-nos tristes; outras, apesar de o ambiente ser triste, sentimo-nos felizes.
Nos próximos dias 17, 19 e 20 vamos ver, então, três textos criados por alunos do nono ano, das turmas: E e F e que dão a conhecer precisamente esse contraste.

Sara Castela, O Ciclista

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Desfile de Carnaval

O Ciclista cumpre a promessa e apresenta a reportagem do desfile de Carnaval.



A Equipa de O Ciclista

quinta-feira, 14 de abril de 2011

A magia de um sorriso…

            Infelizmente, há uns anos para cá, tenho vindo a descobrir que tenho alguns problemas de saúde. Antes de saber isto, saltava, corria, brincava e nada me deixava triste. Agora, não é bem assim, mas a vida continua e não podemos desistir.
            Desde sempre que a medicina me fascinou, e sempre gostei de saber como se tratam vários tipos de doenças. Entretanto, esse fascínio aumentou com o tempo que passo nos hospitais.            
Quando me encontro no hospital, olho para um lado e vejo uma criança a chorar, olho para outro e vejo pessoas com dores, pessoas que quase não sorriem.
            Ora, o meu sonho é entrar numa área de medicina e fazer com que esses sorrisos voltem a existir e que, mesmo com dores, as pessoas lutem para ficarem boas.
            Quero, assim, poder vir a ensinar as pessoas que, por mais forte que seja a dor e o problema, a vontade de viver tem que ser maior, pois nunca se deve desistir da vida e um simples sorriso poderá curar ou, pelo menos, minimizar muitos dos problemas. E com a nossa força e a força dos nossos amigos e familiares, esse problema acabará por desaparecer.
                                                           
Ana Carolina, nº 3, 9º E          

quarta-feira, 13 de abril de 2011

E assim começa a história…


         No tempo em que as galinhas tinham dentes, uma velhinha que vivia numa casa andante, estava preocupada com o marido. Este tinha ido para a guerra, no Iraque, há mais de quarenta anos.
Sem saber o que pensar, resolveu ir à procura da sua cara-metade. Com a sua casa andante foi para o Iraque onde procurou a marido por todo a lado, perguntando às pessoas mais velhas o que tinha acontecido, se tinham morrido muitas pessoas…
        No país vizinho, encontrou uma cigana que durante aqueles anos tinha conhecido muito bem o marido da velhinha, mas este tinha desaparecido como que por magia. A cigana tinha ouvido uns rumores de que ele estaria numa gruta, no deserto seco.
Como a cigana parecia de confiança, a velhinha perguntou se esta queria ajudá-la a encontrar o marido. A cigana lá aceitou e começaram a sua longa caminhada.
        Já no deserto, a cigana ouviu um barulho e parou. De repente, apareceu um canibal vindo de detrás de uma duna. A velhinha começou a correr, gritando:
        -Um canibal…! Ai as minhas cruzes, a minha idade já não me permite correr assim!
        A cigana, vendo a velha aflita, oferece-lhe um pó para esta correr ainda mais rápido. A velhinha bebeu-o e lá foi ela, a correr mais do que alguma vez conseguira. Como não via a cigana, a velhinha voltou para trás.
        Quando chegou perto dela, esta só se ria com o canibal, mas a velhinha não percebia porquê. O canibal tanto se ria que quase caiu no chão por não ter força nos joelhos.
De seguida, a cigana disse que o “canibal” na verdade era o seu marido – da velhinha -, mas disfarçado, e que este nunca conseguira ir para casa porque não tinha dinheiro. Os dois tinham esperado mais de quarenta anos que a velhinha decidisse ir à procura do marido.
A velhinha estava tão contente que deixou cair a placa dos dentes! Mas deu um grande beijo ao marido por todas as saudades que tivera.
De seguida, deu um abraço à cigana por a ter ajudado a reencontrar o marido e disse-lhe que nunca se iria esquecer dela!
CONTINUA…

Inês Rolo nº 15 7º A3

terça-feira, 12 de abril de 2011

Querida mãe

Anadia, 14 de Março de 2011.

            Querida mãe,
           
            Como sabes, eu amo-te muito. E tu bem sabes que não é preciso dizer-to, mas hoje quis fazê-lo e portanto, escrevo-te esta carta para te dizer obrigada por estes meus doze anos, ao longo dos quais me tens feito feliz. Não digo isto pelos bens materiais que me dás mas sim pelo carinho, amor, alegria e força que me tens dado.
            Obrigada por me apoiares sempre, tanto nos estudos como nas minhas atitudes. Por ralhares comigo, por me mostrares quando estou errada e por me ajudares a tornar-me numa pessoa mais responsável e mais verdadeira.
            Enfim, não há palavras nem para te dizer o quanto eu te amo nem para te descrever.
            Obrigada mesmo por tudo! E agora, despeço-me com um grande beijo da tua filha que te ama muito!
                       
                                               Matilde                                                                                                                                                                                                                               
                                                            
        Matilde, nº 18, 7ºB3

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Abre o teu coração…

Sabes o que significa a amizade?
Pois, há muita gente como tu a não saber o que significa uma grande amizade, mas passo eu a explicar!
Uma grande amizade não se faz de um momento para o outro, constrói-se e para tal, tens de conhecer a pessoa a quem lhe chamas: amiga.
Essa pessoa a quem chamamos de amiga, poderemos contar com ela sempre para os bons e maus momentos que podemos vir a passar. Por outro lado, podemos confiar a ela os nossos maiores segredos. Mas também é importante nós sabermos ouvi-la, aconselhá-la e perdoá-la. De facto, é preciso ter a noção de que as boas amigas nem sempre estão de acordo connosco. Como tal, é preciso saber respeitar a opinião de cada uma delas. E é importante reconhecer que, mesmo estando elas afastadas de nós, a amizade continua.
Por isso, o conselho que te quero deixar é que deves abrir o teu coração e deixar a amizade entrar.

                                              Carlota Oliveira, 7º B3

domingo, 10 de abril de 2011

O meu sonho…

            Que sonho tenho eu? - perguntas tu.
            Será que é o sonho de ser rico? Ser famoso? Ter muitos amigos? Ou ter apenas milhares de coisas, as quais nem vou usar?!
            Não! Nada disso!
            O meu sonho é muito simples, pois eu apenas quero ser feliz. Quero vir a ter uma família unida, quando for adulto. Quero simplesmente ter uma casa num lugar agradável e ter ao meu lado as pessoas de quem mais gosto.
            Ora, de que me serve uma felicidade falsa feita pelo dinheiro e pela fama?
            De que me serve querer mudar o Mundo, se ao meu redor não vejo ninguém que o queira fazer?!
            Apesar de tudo, não me vou deixar abater. De facto, apenas quero ser uma boa pessoa e se, no futuro, tiver a capacidade de fazer mudar o Mundo para melhor, começarei então por ajudar pessoas as quais vejo todos os dias a necessitarem de ajuda.
            Sendo assim, só poderei ser uma pessoa feliz se ajudar o próximo.
            E tu, qual é o teu verdadeiro sonho?


Kewin, 9º F

sábado, 9 de abril de 2011

Almas Gémeas…

Era uma vez uma Terra Mágica
E foi lá que tentei esquecer-te,
Pois tentei…

Mas o amor por ti era tão forte
Que me fez perder a esperança
De voltar a viver…

Porém, numa noite,
Olhei para as estrelas,
E recordei-me dos momentos
Que passámos juntos.

Fiz ainda uma descoberta:
Nós somos almas gémeas,
Não te posso assim esquecer,
E não te quero perder
Pois és muito importante para mim.

Estive eu a caminhar,
Para a felicidade alcançar,
Mas sem ti não sou feliz.
Sinto-me sozinha,
Sinto-me perdida…

Em certa noite de lua cheia,
O tempo estava calmo,
E eu estava a ouvir a natureza
A falar-me de ti.

Olhei para a areia,
E encontrei uma rosa,
Uma rosa solitária
Como eu me estou a sentir.

Mas isto não pode continuar assim!
E eu ultimamente só te quero para mim.

Nós somos almas gémeas,
Não te posso assim esquecer,
Pois não te quero perder,
És muito importante para mim.

Sinto imenso a tua falta,
E para onde quer que olhe
Imagino-me contigo.

Onde quer então que tu estejas,
Vem para ao pé de mim.
Eu não aguento mais,
Preciso realmente de ti!


                             Daniela Almeida, nº 8, 9º E

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Atreve-te a Cantar!

Hoje na nossa escola vai decorrer a semifinal da 2ª Edição do Atreve-te a Cantar! 
Os concorrentes vêm das três escolas do Agrupamento: Escolas Básicas nº 2 de Anadia e Vilarinho do Bairro e Secundária de Anadia
Vamos todos aplaudi-los.
O Ciclista deseja a todos  Boa Sorte.

Adriana e Sofia, O Ciclista

Urso Panda

Anadia, 18 de Fevereiro de 2011.

            Querido Urso Panda,
            És um animal de grande porte, branco com manchas pretas, com olhos pretos muito dóceis, que cativam todas as pessoas que gostam de animais.
            És engraçado, quanto te sentas, principalmente quando estás a comer as folhas verdes que te rodeiam.
            Infelizmente, por causa do Homem, és um animal em vias de extinção. Entretanto, fico feliz por saber que em alguns países, como por exemplo na China, já conseguem fazer a vossa reprodução pela inseminação artificial.
            É bom pensar e acreditar que afinal existem homens bons.
            Por agora é tudo e para a próxima, espero escrever-te para juntos celebrarmos o facto de já não estares em vias de extinção.
            Com mil beijos, me despeço.
                                 Tua amiga Matilde.
                                                                    
Matilde, nº 18, 7ºB3

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Dia Mundial da Saúde

7 de Abril de 2011
Organização Mundial de Saúde
O Dia Mundial da Saúde celebra-se desde o dia 7 de Abril de 1950. Este dia celebra também a criação da Organização Mundial de Saúde, OMS, em 1948.
Os 191 membros da OMS, ao celebrarem este dia, têm como objectivo fazer com que o Mundo tome consciência que esta é uma área francamente carenciada em muitíssimos países. Todos os anos, neste dia, a OMS organiza eventos a nível internacional, regional e local para promover o tema escolhido em matéria de saúde.
Este ano, O Dia Mundial da Saúde terá como tema a resistência antimicrobiana e a sua disseminação global. Esta campanha terá como foco especial a SIDA, a tuberculose e a pandemia da malária, conforme informação retirada do sítio da OMS:
World Health Day – 7 April 2011
Antimicrobial resistance and its global spread
We live in an era of medical breakthroughs with new ‘wonder drugs’ available to treat conditions that a few decades ago, or even a few years ago in the case of HIV/AIDS, would have proved fatal. For World Health Day 2011, WHO will launch a worldwide campaign to safeguard these medicines for future generations. Antimicrobial resistance – the theme of World Health Day 2011 – and its global spread, threatens the continued effectiveness of many medicines used today to treat the sick, while at the same time it risks jeopardizing important advances being made against major infectious killers. 
To underline this, the WHO public awareness campaign will include a special focus on the HIV/AIDS, tuberculosis and malaria pandemics. WHO will call on governments and stakeholders to implement the policies and practices needed to prevent and counter the emergence of highly resistant superbugs, and to also provide appropriate care to those seriously affected by these microbes.
O Ciclista procurou a definição que melhor expressasse o que é realmente a saúde e acabou por encontrá-la na Constituição da Organização Mundial da Saúde, sendo a seguinte: A saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não consiste apenas na ausência de doença ou de enfermidade.
O Ciclista informa ainda que, no passado dia 4, se comemorou o Dia Mundial da Luta Contra o Cancro.
Neste dia, 7 de Abril, também se celebra o Dia Nacional dos Moinhos.
O Dia Nacional dos Moinhos não é propriamente comemorado, pois a maioria da população portuguesa desconhece-o. Contudo, O Ciclista assinala-o principalmente para chamar a atenção para a importância do valor patrimonial e histórico que os moinhos tiveram na nossa sociedade.
Há diversos projectos de valorização e recuperação dos tradicionais moinhos em curso por todo o país. Esta recuperação tem diversos fins, desde a valorização da paisagem ao turismo, assim como de apoio à educação.

A Equipa de O Ciclista

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Uma pequena reflexão sobre a Amizade

            Hoje, decidi parar um pouco para reflectir sobre algo que faz parte das nossas vidas e que tem a ver com o sentimento da amizade.
            Ora, ser um bom amigo não é só dizer: “Olha, ele é um bom amigo!”. De facto, é necessário que essa pessoa esteja ao nosso lado para nos apoiar nos bons e nos maus momentos, para nos aconselhar nos momentos em que estamos a fazer coisas erradas, e ainda, ouvir e perceber o que estamos a sentir, respeitando o que nos vai na alma.
            Às vezes, nós, jovens, utilizamos a expressão: “ Best friends forever”, mas o que será que isso quer dizer?!
            Sim! Tens razão, é: “melhores amigos para sempre”, mas será que vai ser mesmo para sempre?! Afinal, o que acontece quando vivemos grandes ilusões?! Se pensarmos bem, toda a gente passa por ilusões ao longo da vida.
            Por outro lado, também nos questionamos: será que os melhores amigos erram? Sim, todos erramos. De facto, na minha opinião, até numa amizade as pessoas erram. Quantas vezes surgem as zangas, as incompreensões, os desentendimentos? Todos nós somos humanos e erramos, pois não somos perfeitos. Porém, quando esta situação se verifica, a amizade acaba por ser destruída.
            Imaginem agora a vossa melhor amiga ou o vosso melhor amigo a trair-vos. Será que lhe dariam uma nova oportunidade? Eu, sim, dar-lhe-ia e disso não tenham dúvidas.
            Como eu disse há pouco, toda a gente erra e como tal, toda a gente merece uma segunda oportunidade.
            Aqui vos deixo então a minha pequenina reflexão sobre aquilo que eu acho em relação ao sentimento da amizade.
                                                                Nicole, nº 23, 7º A1

terça-feira, 5 de abril de 2011

Um Amigo para não esquecer


Ainda me lembro do meu primeiro dia de aulas como se fosse hoje. Esse dia foi de facto muito importante para mim, porque era o meu primeiro dia de aulas, numa nova escola, onde não conhecia ninguém. Estava realmente muito entusiasmado mas, ao mesmo tempo, muito assustado!
O Director da escola foi muito simpático, acompanhou-me e apresentou-me aos novos professores e colegas.
Depois da primeira aula, fui conhecer melhor os meus novos colegas de turma. Entre eles, destacou-se um, chamado João, que foi muito simpático comigo e chegámos ambos à conclusão de que seríamos grandes amigos. Porém, quando o conheci melhor, comecei a ver que ele se estava a revelar um falso amigo. Verifiquei, então, que era um chantagista, um queixinhas, o que me fez ver que um bom amigo não tem que dizer sempre: “tens razão”, mas também deverá saber dizer: “Acorda para a vida!” E ele dizia “Ámen” a tudo e, sem eu saber, criticava-me junto dos outros.
Por outro lado, a pessoa que eu menos esperava ser meu amigo, essa sim, chegou a ser um grande e verdadeiro amigo, chamava-se Bernardo e com ele passei por muito. Em qualquer situação, ajudávamo-nos um ao outro, desabafávamos e brincávamos juntos.
Com tudo isto aprendi uma grande lição, que te quero dar a conhecer: o teu melhor amigo poderá vir a ser quem menos esperas.



Sandro Joel, nº 25, 7º B3

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Fui oleiro por uns minutos…

Pedro e Belmiro.

Aquando da visita de estudo a Aveiro, conhecemos na Funceramics o Sr. Aldino, de 84 anos que trabalha com barro, é um oleiro. Eu também moldei o barro e adorei. Não é fácil.
Nessa visita também gostei de conhecer o navio Santo André.
Aprendemos muito sobre a salga do bacalhau, sobre o modo como os marinheiros passavam o tempo Aprendemos também o significado de bombordo e estibordo.
Bombordo é o lado esquerdo, o coração bombeia o sangue, daí que nunca mais me esqueça o que significa bombordo.
Foi um dia divertido.

Pedro, nº 17, 6º C

domingo, 3 de abril de 2011

Dia de S. Valentim

Para comemorar o Dia de S. Valentim, os alunos de Educação Especial resolveram fazer marcadores de livros. Este trabalho passou por várias etapas:
Primeiro, os alunos procuraram imagens e frases de amor na Internet. Depois, a professora, Júlia Almeida, fez a montagem das várias imagens e frases, plastificou-os com uma máquina própria. De seguida, cortámos os marcadores na guilhotina, fizemos um furinho, onde colocámos um pouco de ráfia para decorar.
No dia 14 de Fevereiro, a Leandra, a Ana Catarina, a Sónia e a referida professora distribuíram os marcadores a alguns professores, auxiliares e alunos da nossa escola.
Assim demos um pouco de amor e carinho no Dia dos Namorados.
            Espero que tenham gostado.




Leandra, Nº13, 6º A

sábado, 2 de abril de 2011

Um dia divertido

No dia 22 de Fevereiro, fomos a Aveiro. Primeiro passámos por Aradas e visitámos a Funceramics. Aí conhecemos um oleiro muito divertido e sábio, com 84 anos. Ele trabalha o barro. A seguir, fomos andar de barco na ria de Aveiro. Foi muito bom. Depois almoçámos no parque e à tarde visitámos o Navio - Museu Santo André. Eu gostei muito desta vista.



Filipe, nº 9, 6º E