Equipa d´O Ciclista

Clube de Jornalismo O Ciclista:

Coordenação: Dra. Graça Matos e Dra. Sara Castela

Dra. Miquelina Melo – Membro Honorário

Endereço de correio eletrónico - cj.eb23anadia@gmail.com

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Programa Cuida-te na Escola


No passado dia 8 de fevereiro noticiámos que a Unidade Móvel “Programa Cuida-te na Escola” honraria a Escola Secundária de Anadia com a sua presença.
A participação nesta iniciativa do 9º A3, B, C e D e do 10º ano A, B, C e D foi registada pelas câmaras da Equipa do PES. A Equipa d´O Ciclista apresenta essa reportagem fotográfica.


A Equipa d´ O Ciclista

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Séc. XXI – Cenário do clima para o continente


Iniciamos este artigo ao lembrar as palavras que ouvimos diariamente repetir: “O tempo está tão diferente do que era!
A Terra desde sempre assistiu a alterações climáticas mais ou menos significativas. Recordamos o último período glacial, também conhecido como Idade do Gelo, chamado Würm. Este período serve para explicar que, desde sempre ocorreram alterações climáticas na Terra. Mas, apesar das alterações climáticas ocorridas ao longo da História da Terra serem fruto de fenómenos naturais, a intervenção do Homem tem Hoje um contributo bastante significativo.
Neste século XXI, as previstas alterações climáticas globais, e consequentemente em Portugal, Continental e Regiões Autónomas, têm estado na agenda dos cientistas. Mas, para além de bem estudadas, carecem de uma (re)definição de medidas quer a médio, quer a longo prazo, capazes de lhe fazerem face e permitam uma redução do risco, global e individual, quer na planificação das atividades, quer do investimento futuro.
De acordo com informação recolhida do Instituto de Meteorologia: “Por forma a contribuir cientificamente para a sustentação destas medidas de adaptação, o Instituto de Meteorologia, I.P. desenvolveu, em parceria com o Instituto Dom Luiz da Universidade de Lisboa e integrado no consórcio Europeu ECEARTH, a realização de cenários globais para o clima de Portugal continental, cujos resultados serão igualmente integrados no próximo relatório do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC). 
Neste exercício, numa primeira fase realizado com uma resolução de 125 km, foram utilizados dois cenários contrastantes. Um, menos gravoso, admitindo o controlo do aumento das emissões dos gases de efeito de estufa, que atingiria um máximo na concentração em meados do séc. XXI, e um outro cenário mais gravoso resultante de um crescimento contínuo nas emissões durante o séc. XXI. 
Dos resultados obtidos realça-se o aquecimento médio no território no final do século XXI em cerca de 2,5º C e 4º C, respetivamente para os cenários trabalhados, e a diminuição da precipitação em todo o território para qualquer dos períodos de 30 anos considerados, com especial incidência na região sul.”

A Equipa d´ O Ciclista

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

2011, 6º ano mais quente dos últimos 80 anos


O Boletim Climatológico de 2011 produzido pelo Instituto de Meteorologia inclui, para além da informação tradicionalmente apresentada em Boletins anteriores, uma informação complementar inovadora, particularmente ao nível do apuramento anual e mensal do número de dias com valores significativos e de extremos absolutos de vários parâmetros meteorológicos: precipitação, temperatura, vento, ondas de calor e de frio, e ainda informação sobre o número de dias de geada, nevoeiro e trovoada.
O Ciclista dedica este seu artigo à transcrição do resumo deste Boletim Climatológico Anual – 2011, produzido pelo IM:
Com uma temperatura média anual de 16º C, o ano de 2011, em Portugal Continental, foi o 6º mais quente dos últimos 80 anos e relativamente à temperatura máxima anual o valor de 21,76º C é o mais elevado desde 1931.
Os meses que mais contribuíram para o ano de 2011 ser um dos anos mais quentes em relação à temperatura máxima, foram abril, outubro, maio, junho e setembro, que registaram anomalias em relação a 1971-2000 de +4,90º C, +4,73º C, +3,91º C, +1,58º C e +1,22º C respetivamente. De realçar ainda que os meses de maio e outubro foram os mais quentes desde 1931, em relação ao valor da temperatura máxima do ar e abril foi o segundo mais quente no que respeita às temperaturas média e máxima do ar, também desde 1931. Também as temperaturas mínimas em abril e em maio estiveram muito acima do valor normal. Nos restantes meses do ano as temperaturas foram próximas do normal não ultrapassando anomalias de ±1,0º C.
É de salientar que nos últimos 18 anos a temperatura média anual foi sempre superior ao valor médio 71-2000, com exceção de 2008.
Em 2011 ocorreram 5 ondas de calor que se verificaram nos meses com maiores anomalias positivas da temperatura máxima: uma onda de calor em abril, duas em maio e duas em outubro.
Em relação ao total de precipitação anual, verifica-se que foi inferior ao valor normal 1971-2000, com uma anomalia de - 136,6 mm. Durante o ano destacam-se os meses de novembro, o qual registou um total mensal superior ao normal em + 48,9 mm e de dezembro com um total mensal muito inferior ao normal (- 102,8 mm). Nos restantes meses do ano, os valores de precipitação estiveram próximos dos valores normais, com desvios de precipitação inferiores ou próximos de 20 mm.
Nos Arquipélagos da Madeira e dos Açores os valores médios da temperatura do ar foram superiores ao valor médio do período 1971-2000.
Quanto ao total de precipitação anual, nos Açores os valores foram inferiores ao normal, exceto na Horta onde foi muito superior. Na Madeira, enquanto no Funchal os valores foram inferiores ao normal, em Porto Santo foram muito superiores, cerca de 170% em relação ao valor normal.

A Equipa d´O Ciclista

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Concurso literário “Ler & Aprender”


Olá queridos alunos,
Hoje republicamos o regulamento do Concurso literário “Ler & Aprender”.
Ainda estão a tempo de pegar nos vossos materiais: lápis, canetas, papel, ou computador, e porem a vossa imaginação a funcionar.
Deixem que as vossas mentes transmitam às mãos o vosso sentir. 
O prazo para entrega é o final do 2º período.
Ficamos à espera da vossa criatividade!
Boa sorte!

A Equipa d´O Ciclista 

REGULAMENTO DO CONCURSO LITERÁRIO “LER & APRENDER”

I – ENQUADRAMENTO
A Câmara Municipal de Anadia, através da sua Biblioteca Municipal, tem o prazer de lançar a III Edição do CONCURSO ESCOLAR “LER & APRENDER”, enquadrado no Projecto de Promoção do Livro e da Leitura traçado para as Escolas do Município.
II – PÚBLICO-ALVO
Alunos dos 1º, 2º e 3º Ciclos e Ensino Secundário de todos os Estabelecimentos de Ensino do Município de Anadia.

III - OBJECTO DO CONCURSO
O presente concurso apresenta dois Objectos:
Produção de um texto inédito pertencente ao género narrativo (sub-género conto).
Produção de um texto inédito pertencente ao género lírico.
Cada Instituição de Ensino poderá apresentar até 3 trabalhos por Objecto e por cada uma das Categorias (1º, 2º e 3º Ciclos e Ensino Secundário).

IV – REQUISITOS DOS TRABALHOS
1.       Os trabalhos apresentados têm de ser individuais.
2.       Devem ser originais, inéditos e redigidos em português.
3.       Os trabalhos devem ser entregues /enviados em papel, assim como uma cópia em suporte digital (esta pode ser via correio electrónico ou outro.)
4.       O exemplar em papel deve ser assinado pelo participante e acompanhado por uma declaração da Instituição de Ensino com os seguintes elementos: nome completo, nº B.I., ano e turma.

V – CONSTITUIÇÃO DO JÚRI
O Júri do Concurso é seleccionado pela Biblioteca Municipal de Anadia. Será composto por três elementos a designar oportunamente.


VI – CRITÉRIOS DE APRECIAÇÃO DOS TRABALHOS
A apreciação /avaliação dos trabalhos apresentados será feita em obediência aos seguintes critérios:
1)      Criatividade.
2)      Correcção da linguagem utilizada.

VII – PRAZOS DE ENTREGA E APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS.
Os trabalhos deverão ser remetidos para Biblioteca Municipal de Anadia – Rua das Sobreiras – 3780-297 Anadia. E-mail: geral@bm-anadia.pt, até ao final do 2º Período.

VIII – PROCEDIMENTOS E CARÁCTER DA DECISÃO DO JÚRI
1 – O júri não deverá corresponder-se com os Concorrentes nem prestar quaisquer informações relativas ao desenrolar o Concurso.
2 - O prémio será atribuído por unanimidade ou, em caso da sua impossibilidade, ao trabalho que reunir o maior número de votos.
3 – A decisão do Júri é definitiva e inapelável.

IX – PRÉMIOS
Género narrativo – 200,00€ (50,00€ por categoria).
Género lírico – 200,00€ (50,00€ por categoria).

X – ATRIBUIÇÃO DOS PRÉMIOS
Os vencedores do Concurso serão anunciados em acto público a realizar em data e local oportunamente designados. 

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Conta, Peso e Medida


É um projeto da Equipa de Saúde Escolar do Centro de Saúde de Anadia em parceria com a Unidade de Saúde Pública do ACES Baixo Vouga I, na área da prevenção da obesidade infanto-juvenil e da promoção de hábitos de alimentação saudável.
-         Os objetivos deste projeto são:
-         a identificação das crianças com esta problemática  e o seu adequado encaminhamento e tratamento;
-         sensibilizar toda a comunidade educativa para a importância da implementação de alimentação saudável desde o nascimento.
Este projeto está a ser implementado no 5º ano, ao longo de todo este 2º período escolar.

A Equipa d´ O Ciclista

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Entrevista a um surfista amador…


… que, por acaso, é o meu pai.

Miguel Correia de 41 anos é praticante de surf e está aqui para nos falar sobre a sua prática desportiva.
André – Com que idade é que apanhou a primeira onda?
Miguel – Apanhei a minha primeira onda aos 16 anos.
André – Aos 16 anos já tinha dinheiro para o equipamento?
Miguel – Não, era emprestado e não ia de fato, surfava de calções.
André – Quando apanhou essa onda, gostou? E o que sentiu?
Miguel – Gostei, senti adrenalina e o estar em contacto com uma força da natureza obriga-nos a ter todos os sentidos apurados.
André – Passado tantos anos, ainda sente toda essa adrenalina?
Miguel – Sim, cada onda é única... e, daqui a 20 anos, a resposta será a mesma.
André – Recomenda este desporto aos jovens?
Miguel – Claro que sim!
André – Porquê?
Miguel – Qualquer tipo de atividade física promove o bem-estar físico e psicológico, afastando os jovens do sedentarismo, criando objetivos positivos e, quem sabe, “abrir portas “ para o profissionalismo.
André – Se pudesse escolher, qual seria o local do mundo onde gostaria de surfar?
 Miguel – Gosto muito do nosso país, como por exemplo: Figueira da Foz, Peniche, Ericeira, Barra … mas, sem dúvidas, o Havai é o destino de elite de qualquer surfista … Austrália … Fiji … Indonésia … Peru … Brasil … México… África do Sul … onde houver ondas perfeitas.
André- Bem! O nosso tempo de antena está a terminar. Quero assim agradecer o facto de me ter cedido algum do seu tempo, para me falar da sua tão preferida atividade desportiva.
E a vós, leitores, espero que tenham ficado com vontade de praticar exercício físico, dizendo: “Não, ao sedentarismo!”

André Seabra Correia, nº 8, 7º F 

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

A esperança é a última a morrer…


Ultimamente, sempre que ouvimos falar sobre a crise, parece tudo tão horrível e parece até que não há nem nunca haverá uma saída.
Quando ouvimos nos telejornais da televisão ou na rádio notícias de catástrofes, dá a sensação que é quase o fim do mundo para todas aquelas pessoas que sofreram, perderam os seus lares, amigos e até a própria família.
No entanto, na minha opinião, não há um fim, quando acontece algo de mal. Há sim um obstáculo a ser ultrapassado, que só nos torna ainda mais fortes. E haverá sempre algo ou alguém que nos fará acreditar que não é altura de desistir. E aí ganhamos novamente a coragem de enfrentar a vida.
Sendo assim, para mim, há sempre uma luz ao fundo do túnel e por mais que ela demore a surgir, irá sempre aparecer. Logo, a esperança deve ser sempre a última a morrer, pois depois de um mau período virá sempre algo bom e será a dobrar.
Como tal, nas circunstâncias más da vida, há sempre um lado positivo, por mais pequeno que ele seja. Por isso, devemos aproveitar sempre os bons momentos da vida, mesmo que sejam pequenos, ao máximo, pois não são eternos.
                                                                    

Maiara Melo, 8º C

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Escola Electrão



A Escola Básica e Secundária de Anadia* e, também a Escola Básica N.º 2 de Vilarinho, aderiram ao Projecto Escola-Electrão, com o objetivo de sensibilizar e envolver professores, alunos, encarregados de educação e comunidade em geral no esforço global da reciclagem e valorização dos Resíduos Elétricos e Eletrónicos.
Fique atento e prepara-se para conseguirmos muitos quilos de equipamentos elétricos e eletrónicos, velhos e avariados, que estão lá em casa a estorvar e à espera de serem encaminhados para uma boa reciclagem!
O período de recolha é de 5 a 23 de março.
Porém, vamos deixar o local de recolha pronto para que quem quiser comece a trazer os materiais a partir do dia 23 de fevereiro, depois do Carnaval!
Também, no dia 23, vamos distribuir desdobráveis aos alunos e afixar alguns cartazes.
O sítio, onde pode ver toda a informação é este:

Daniel Carvalho, Professor Coordenador do Projeto Escola Electrão


*  Pontos de recolha EB23 de Anadia e Escola Secundária de Anadia.

Todos os Ciclistas estão convidados: tragam os vossos aparelhos elétricos e eletrónicos avariados.

Divulguem junto dos vossos contactos, ajudem o Agrupamento de Escolas de Anadia a ganhar prémios:


Participa!

A Equipa d´O Ciclista

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Dia Internacional da Língua Materna


Celebrar o Dia Mundial da Língua Materna não deve ser visto como mais um dia, mais uma efeméride. No momento em que a nossa língua sofre alterações tão profundas, impostas pelo acordo ortográfico, em que a aceitação de uns choca com a recusa de outros, temos de nos unir na defesa de uma utilização cuidada e digna. Como escrevia a nossa “jornalista” Sofia Matos há um ano atrás:
“… nós devemos amar a nossa língua, tratá-la e usá-la bem. Frequentemente lemos e ouvimos falar um português cheio de palavras estrangeiras. Podíamos todos tentar não as usar.
Vamos lá a ver alguns exemplos do que diariamente usamos: Pen, em vez de dizermos disco amovível, ya, em vez de sim, e-mail, em vez de correio eletrónico e muito, muito mais…
Mas, também temos palavras que já se “aportuguesaram”… Vamos ver alguns exemplos: sutiã (soutien), dossiê (dossier), claxon, e muitas, muitas mais!
Há ainda outras que os jovens normalmente utilizam na sua linguagem entre amigos, no fundo um abuso de linguagem como por exemplo: bué, beca, tipo, cena, yah, meu, minha, tass, seca, …
Mas, o que importa mesmo é sabermos distinguir os lugares onde estamos. Uma coisa é falarmos entre nós, outra é, por exemplo nas aulas. Nas aulas devemos cuidar da nossa linguagem. Também junto dos nossos familiares e em muitas outras ocasiões.
Palavrões? Esses não devemos usar nunca!
Vamos todos cuidar da nossa língua materna – a língua portuguesa!”




Carnaval

E, neste dia de Carnaval, desejamos a todos um Dia muito feliz.

A Equipa d´O Ciclista

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Dia da Resistência Não Violenta


Neste dia, 20 de fevereiro, lembramos a Resistência Não Violenta.
Este Dia pretende ser um grito de alerta.
Um dia de luta por tudo aquilo que se considera correto. Uma voz que grita alto que a utilização da violência e o recurso à força não deve ser tolerado.
Um grito que diz que quando se recorre a estes perde-se simplesmente a razão que eventualmente se possa ter.
Um grito que diz que o diálogo é a luta mais eficaz na pacificação dos povos.
Um grito que inspire todos para que lutem por uma sociedade mais justa, livre e pacífica.

A Equipa d´ O Ciclista

domingo, 19 de fevereiro de 2012


Solidariedade… Será esta uma palavra diferente?!
 Esta palavra incomoda um pouco algumas pessoas, não só pela maneira como se pronuncia, mas também por ser um termo que mexe com os sentimentos de cada um de nós.
 Do meu ponto de vista, ser solidário é, acima de tudo, respeitar quem nos rodeia, sabendo partilhar sem olhar à cor e à religião e sem pensar em receber.
Há pessoas que pensam que ser solidário é apenas um gesto a ter em épocas festivas ou importantes como o Natal. Mas a verdade é que o Natal é quando o Homem quiser!
 E, então, para sermos solidários, temos de dizer não ao egoísmo, ao nosso fácil acomodamento face à miséria, à solidão, à injustiça social. Enfim! Face a tudo o que está mal.
 Hoje em dia, infelizmente, cada vez há mais pessoas sem possibilidades económicas para sustentar a família e como tal, encontram-se a passar fome. Há também aquelas que não têm onde viver, outras até vivem, mas em condições miseráveis e inadmissíveis para um ser humano.
Se pararmos para pensar um pouco, verificamos que, muitas vezes, aquilo que para nós já não serve, para outros pode ser um pequeno alento.
Sendo assim, pensemos no próximo, pois há sempre alguém que precisa mais do que nós.

Cristina Almeida, nº 7, 8º C

sábado, 18 de fevereiro de 2012

O Valor da Solidariedade


Eu quero ser solidário
Estar sempre a ajudar,
Pois quero dar alimento
A quem mais está a precisar.

Ser solidário
É ser boa pessoa,
É ser um amigo.
E, para ajudar, contem comigo!

Eu ajudo,                                          
Em troco de um sorriso.
E, ao ajudar,
Ganhamos mais um amigo.

Eu ajudo para salvar vidas,
Pois dou alimento,
A quem não tem sustento.

Eu ajudo,
Para mais tarde,
Quando precisar,
Ter também pessoas
Com quem possa contar.

Não ajudem,
Por obrigação.
Ajudem por terem
Bondade e bom coração.

O valor da solidariedade
Sente-se pela amizade.
Eu sou solidário,
Dando o meu amor diário.

A solidariedade é um sentimento
Que alivia aquele que está em sofrimento.
Jorge Almeida, 8º D, nº 14

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Carta ao AMOR!


Anadia, 14 de fevereiro de 2012.

 Querido Amor,
Este ano, decidi escrever-te, já que és tu que juntas e partes aos bocadinhos os nossos sensíveis corações.
 Muitas vezes, questiono-me porque é que, quando passas pela vida das pessoas, tens de deixar sempre rasto? Porque é que mudas completamente a tua rotina? Porque é que és tão indiscreto, mas consegue entrar em nossas vidas de forma tão invisível? Porque é que às vezes nos fazes amar a pessoa errada? Porque é que nos trazes momentos de tristeza, dor, solidão, em vez da felicidade tão desejada por nós?
Tantas perguntas e até agora ainda não me apresentaste nenhuma resposta. E é justamente por essa razão que te envio esta pequena carta. Preciso de saber qual é o teu objetivo e porquê todos estes mistérios. Preciso de saber por que existes.
Será que algum dia irei obter respostas para todas estas perguntas que te acabei de colocar?!
                        Com todo o amor,
                                                                Sofia.
P.S. Não te esqueças, ficarei à espera.                          

Sofia Ferreira, 7º F

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

TU!


És a árvore forte
És o conhecimento verdadeiro     
És a luz fiel
És um amor solteiro

És o chocolate delicioso
És o respeito sonhador
És a flor brilhante
És um humilde trabalhador           

És a saudade que perdura
És uma dança rica
És a melodia que me fascina
És a rosa que nunca me pica

TU ÉS…


Alunos do 7º Ano, Turma: F

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

A mulher


És o amor da minha vida
És a paz do meu mundo
És um riso radiante
És um coração sem fundo

És um mar ao sol
És um sonho de esplendor
És uma amiga de paixão
És a minha bela flor

És uma pessoa importante
És o coração da gente
És o mundo em redor
És o sentimento que não mente

Alícia Rodrigues Gomes, nº 2 7º Ano, Turma: F

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Dia dos Namorados

Nas aulas de Francês do 8º C, a professora, Dra. Licínia Vieira, propôs aos alunos que sugerissem alguns ingredientes para receitas de amor, visto que estamos quase a chegar ao Dia dos Namorados, 14 de Fevereiro. E aqui estão elas!
Deliciem-se assim com as nossas receitas!
E não se esqueçam que, na sua feitura, deverá reinar o amor.
Feliz Dia dos Namorados!


Adriana Matos, 8º C / O Ciclista

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

O salto para o desconhecido


Aqui temos mais dois exemplos do género jornalístico: a entrevista, que os nossos alunos de 7º ano aprenderam a realizar.

Sara Castela, O Ciclista


Alícia - Bom dia, Sr. Paulo. Eu trabalho para o jornal da nossa região e gostaria de lhe fazer algumas perguntas sobre o seu trabalho e objetivos de vida.
  Então, vamos lá começar e a primeira pergunta que lhe quero fazer é a seguinte: com que idade começou a trabalhar?
  Sr. Paulo -Comecei aos nove anos nas férias grandes da escola, mas oficialmente foi aos treze anos na Casa de Móveis Leal Mena, na qual já estou há 30 anos, como polidor e restaurador de móveis.
  Alícia - O que o levou a ter este emprego?
  Sr. Paulo - O que me levou a ser polidor e restaurador de móveis foi o gosto que se manifestou pela madeira. Já, no meu primeiro emprego, trabalhava numa serração. Daí, veio esse gosto especial.
  Alícia - Para além deste trabalho, tem mais algum?
  Sr. Paulo - Não, mas dedico algum tempo ao restauro de móveis para pessoas amigas.
  Alícia - Mudando de assunto! Qual é o seu objetivo de vida?
  Sr. Paulo - O meu objetivo de vida é simples, é ter saúde para trabalhar e criar os meus filhos e o meu netinho!
  Alícia - E o seu sonho?
  Sr. Paulo - O meu sonho era descer o rio amazonas!
  Alícia - Porquê este sonho?
  Sr. Paulo - Porque adoro a natureza e a paz que ela nos transmite.
  Alícia - Para além de gostar do seu atual emprego, tem algum gosto especial por outro ramo?
  Sr. Paulo - Sim, três. Eles são: cozinheiro, veterinário e biólogo marinho.
Alícia - Porquê biólogo marinho?
Sr. Paulo - Porque adoro todos os seres vivos marinhos e já agora, também admiro o mar, pois na minha opinião o mar é infinito…
Alícia - Ao responder à minha última questão, reparei nesta última expressão “ o mar é infinito”. O que quis dizer com esta bela expressão?
 Sr. Paulo - É um salto para o desconhecido, pois o mar está sempre em constante mudança e eu como me considero um “velho jovem”, adoro surpresas…
Alícia - Resumindo, digamos que o Sr. Paulo tem muito para dizer e ainda muito para viver!
E para acabar, desejamos que a vida ainda lhe proporcione bons e inesquecíveis momentos e quanto a nós, terminamos esta entrevista com uma célebre expressão de um grande jornalista deste século, infelizmente já falecido: “E esta, heim?” de Fernando Pessa!

Alícia Pina, nº 1, 7º F 





Dia Mundial da Rádio


Hoje, dia 13 de fevereiro, assinala-se o primeiro Dia Mundial da Rádio.
A ideia da criação de um dia mundial da rádio está "no ar" há mais de uma década, mas só ganhou forma na Unesco a partir de uma proposta formal apresentada por Espanha no final do ano passado.
DN TV & Media



A  Equipa d´O Ciclista

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Dêmos as mãos!


Como seria magnífico
Que todas as pessoas
Estivessem prontas a ajudar.

Bastaria um pequeno gesto de solidariedade,
Para pôr fim à ambição
Daquelas pessoas que não têm coração
E que são incapazes de os outros apoiar.

Mendigos na rua
Vão sempre estar
E com a crise, que parece não parar,
Como será possível continuá-los a ajudar?!

Há pessoas com tanto
E outras com tão pouco…
Uns choram, mas outros riem.
E os que choram
Choram com fome
E a fome é tanta
Que muitos acabam por morrer.

O que havemos nós de fazer?!
Temos de agir!
Temos de nos unir,
E juntos a fome combater!

Jéssica da Costa, nº 11, 8º C

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Sejamos Solidários



Solidariedade.
O que é?

É um pombo,
Que, ao Mundo,
A esperança traz.

É um diamante,
Que preservado deve ser.


É um Mundo melhor,
Onde todos podemos viver.
Viver em paz,
Viver em harmonia,
Viver sem guerras,
Viver sem fome,
Viver... Simplesmente viver.

É a formiga trabalhadora,
Que luta para viver.

É tudo o que é bom,
E tudo o que deveria ser...
...praticado.

Dêmos, assim, as mãos
E sejamos solidários
Para termos um Mundo melhor.

Sandro, 8º C

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Diz não à discriminação!


Atualmente, no nosso Mundo, a discriminação é muito constante. E, se pensarmos bem, esta situação verifica-se tanto a nível de estilos musicais, de vestuário, como no campo da religião e principalmente, no que diz respeito à raça das pessoas.
Felizmente, há pessoas que tomam a iniciativa de respeitar os outros, mas também há muitas pessoas que infelizmente parecem não saber o significado dessa palavra.
Não podemos esquecer que somos todos humanos e que pertencemos todos ao mesmo Mundo. Como tal, temos de saber lidar com as diferenças de cada um.
Destruir as palavras: discriminação e racismo seria o ideal, ao fim de estabelecermos a paz no Mundo.
Todos nós temos de ter a nítida consciência de que cada pessoa tem um ponto de vista e uma maneira de ver a realidade diferente da nossa e sendo assim, temos de saber respeitá-la. E, na verdade, só com o respeito é que iremos conseguir lidar com as diferenças. Por outro lado, acho que, se todos nós fôssemos respeitados e respeitássemos os outros, certamente encontraríamos muitas parecenças em cada um de nós.
Esta situação de discriminação e racismo suscita em mim um sentimento de enorme revolta, simplesmente porque respeito e gosto de ser respeitada pelos outros. E nunca é demais repetir a ideia de que tudo seria mais simples, se todos agíssemos tendo na base dos seus atos o respeito pelos outros. E juntos poderíamos fazer um mundo Melhor, bastaria e basta lutarmos por isso.

Cristiana Oliveira, 8º C