Equipa d´O Ciclista

Clube de Jornalismo O Ciclista:

Coordenação: Dra. Graça Matos e Dra. Sara Castela

Dra. Miquelina Melo – Membro Honorário

Endereço de correio eletrónico - cj.eb23anadia@gmail.com

quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

Primeiro movimento revolucionário para a implantação do regime republicano em Portugal


A cidade do Porto foi, há 128 anos, o palco do primeiro movimento revolucionário com o objetivo de lavar à implantação do regime republicano em Portugal.
 
O Batalhão de Caçadora n.º 9, liderados por sargentos, dirigiram-se, na madrugada do dia 31 de janeiro de 1891, para o Campo de Santo Ovídio, a atual Praça da República, onde se encontra o Regimento de Infantaria 18. Pelo caminho associa-se a este o alferes Malheiro, o Regimento de Infantaria 10, liderado pelo tenente Coelho e uma companhia da Guarda Fiscal. Contrariamente, o coronel Meneses de Lencastre, do Regimento de Infantaria 18, embora revoltado, não se associou a estes, demonstrando assim a sua neutralidade no movimento revolucionário.
O cortejo para junto ao antigo edifício da Câmara Municipal do Porto onde da sua varanda Alves da Veiga proclama a Implantação da República, acompanhado por Felizardo Lima, António Claro, Pais Pinto, Abade de São Nicolau, Verdial, Santos Silva, e outras figuras. Verdial, ator, apresenta os titulares do governo provisório da República: Rodrigues de Freitas, professor, Joaquim Bernardo Soares, desembargador, José Maria Correia da Silva, general de divisão, Joaquim d'Azevedo e Albuquerque, lente da Academia; Morais e Caldas, professor, Pinto Leite, banqueiro e José Ventura Santos Reis, médico.
Para dar mais enfase ao momento foi hasteada uma bandeira vermelha e verde, pertencente a um Centro Democrático Federal.
O cortejo foi impedido de prosseguir pela Guarda Municipal, posicionada na escadaria da igreja de Santo Ildefonso. O capitão Leitão não conseguiu que a Guarda se juntasse a este movimento, porque a Guarda solta uma forte descarga de fuzilaria, em resposta a dois tiros que se acredita terem partido da multidão. Esta descarga vitimou indistintamente militares revoltosos e simpatizantes civis, levando a multidão civil a fugir, bem como alguns soldados.
Os restantes barricaram-se na Câmara Municipal, mas, 10 horas da manhã, a Guarda, ajudada por artilharia da serra do Pilar, por Cavalaria e pelo Regimento de Infantaria 18, sob as ordens do chefe do Estado Maior do Porto, General Fernando de Magalhães e Menezes levou estes à rendição.
Após a implantada da República e em memória desta revolta, a Rua de Santo António foi rebatizada para Rua de 31 de Janeiro.
A seguir a esta ainda se efetuaram mais duas revoltas de foro republicano, nomeadamente o Golpe do Elevador da Biblioteca e o 5 de Outubro de 1910.
Equipa d’O Ciclista


Nota:
Informação recolhida a partir da Internet.
Imagem retirada da Internet.




terça-feira, 29 de janeiro de 2019

Tabela Periódica completa 150 anos


Faz 150 anos que o cientista russo Dmitri Mandeleev (1834-1907) criou a primeira organização dos elementos químicos segundo a atual organização da Tabela Periódica.
 
A ONU decidiu homenagear este ano de 2019 a Tabela Periódica dos Elementos Químicos. Este facto prende-se com a sua importância na sistematização e organização do conhecimento científico.
A Tabela Periódica original é composta por 63 elementos químicos conhecidos e que se encontram dispostos segundo a sua massa atómica e agrupados pelas suas propriedades físico-químicas.
A Tabela Periódica contribuiu para os avanços científicos do século XX e deste século XXI.

Equipa d’O Ciclista
  

Nota:
Tabela retirada do sítio da Ciência Viva.