Equipa d´O Ciclista

Clube de Jornalismo O Ciclista:

Coordenação: Dra. Graça Matos e Dra. Sara Castela

Alunas: Adriana Matos, Ana Neta, Beatriz Agante e Matilde Santos

Alunos: André Castro, Henrique Ferreira

Dra. Miquelina Melo – Membro Honorário

Endereço de correio eletrónico - cj.eb23anadia@gmail.com

quarta-feira, 29 de abril de 2015

A revolução dos Cravos



Hoje em dia é muito importante ter liberdade, porque, se as pessoas não a tivessem, não poderiam falar livremente, nem fazer nada daquilo que gostassem.
Se não houvesse liberdade, muitas situações iriam ser muito complicadas, uma vez que voltaríamos aos velhos tempos, em que, por exemplo, as mulheres não poderiam fazer nada ou até sair de casa. Só os homens é que iriam trabalhar ou saírem para se encontrarem com os amigos. As mulheres teriam de ser unicamente donas de casa, para tratarem das limpezas, das refeições, das roupas e de todas aquelas coisas que uma mulher tem sempre para fazer em casa, mas o mais essencial seria cuidar dos seus filhos, quando estes não estivessem na escola. Certamente, elas só poderiam sair ao fim de semana, acompanhadas do seu marido e dos seus filhos. Na realidade, seriam poucas aquelas mulheres que trabalhariam fora de casa.
Ora, é do nosso conhecimento que a 25 de abril de 1974 houve uma revolução: a Revolução dos Cravos, denominada historicamente Revolução de 25 de Abril. Nessa altura, a política portuguesa alterou-se completamente e, como tal, os portugueses ganharam novamente o direito à liberdade. Consequentemente, para as mulheres o mundo parecia ter levado uma reviravolta, uma vez que foram produzidas profundas alterações na legislação em diversos domínios, consagrando o direito à igualdade das mulheres, nomeadamente no trabalho, na família, bem como na participação social, política e cultural.
De facto, é importante que todas as pessoas tenham liberdade para poderem ser elas próprias. E ainda bem que houve esta revolução, graças à qual as pessoas passaram a ter direito à liberdade de pensamento bem como de expressão e ação.
Mariana Abreu, nº15, 9ºE

Sem comentários:

Enviar um comentário