Equipa d´O Ciclista

Clube de Jornalismo O Ciclista:

Coordenação: Dra. Graça Matos e Dra. Sara Castela

Alunas: Adriana Matos, Ana Neta, Beatriz Agante e Matilde Santos

Alunos: André Castro, Henrique Ferreira

Dra. Miquelina Melo – Membro Honorário

Endereço de correio eletrónico - cj.eb23anadia@gmail.com

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Bolinhos e bolinhós



“Bolinhos e bolinhós
Para mim e para vós…”

Se os meninos cantaram estes versos à sua porta em vez das atuais “doçura e travessura”, esperamos que se tenha deixado comover por esta nossa tão antiga tradição, pois se ainda há miúdos que sabem entoar esta cantilena, são de louvar. Por tal, esperamos que tenham recebido em troca alguma coisa, pois decerto saberão, também os tradicionais versos de agradecimento.
“Aqui mora gente boa…”
Esta é a nossa “gente”, a nossa história, a nossa tradição. Muito embora a “globalização e o consumismo tragam outros valores e outros rituais, não devemos esquecer, nem colocar de parte a riqueza do nosso património cultural.
O Pão-por-Deus, já mencionado no século XV, é um peditório ritual feito por crianças, apesar de antigamente também participarem os pobres. A intenção era a de partilhar o pão. A tradição manteve-se ao longo dos tempos, embora o “peditório” passasse a ser feito apenas por crianças, e, em vez de pão, os donos das casas ofertaram bolinhos, romãs e frutos secos, ou doces e guloseimas e, também, quem dê dinheiro.
A própria abóbora iluminada também é uma tradição portuguesa e espanhola. A tradição de esculpir abóboras com rostos é uma tradição milenar na Península Ibérica que remonta ao tempo dos celtiberos.
Deixamos a cantilena dos Santórios:

Bolinhos e bolinhos
Para mim e para vós,
Para dar aos finados
Que estão mortos e enterrados
À porta da bela cruz
Truz! Truz! Truz!

(batem as crianças à porta e dizem ou cantam)
A senhora que está lá dentro
Sentada num banquinho
Faz favor de vir cá fora
P´ra nos dar um bolinho (ou um tostãozinho)

(E se forem bem sucedidos)
Esta casa cheira a broa,
Aqui mora gente boa.
ou
Esta casa cheira a vinho,
Aqui mora um santinho.

(Se nada receberem)
Esta casa cheira a alho
Aqui mora algum bandalho (ou espantalho).
ou
Esta casa cheira a unto,
Aqui mora algum defunto!"
Equipa d’O Ciclista

Sem comentários:

Enviar um comentário