Equipa d´O Ciclista

Clube de Jornalismo O Ciclista:

Professoras: Dra. Graça Matos e Dra. Sara Castela

Alunas: Adriana Matos, Ana Neta, Beatriz Agante, Matilde Santos e Sofia Pedrosa

Alunos: Daniel Almeida, Henrique Ferreira, João Rocha e Tomás Antunes

Dra. Miquelina Melo – Membro Honorário

quarta-feira, 19 de junho de 2013

“O tesouro ainda lá está, na Mata de Roquelanes” - As três irmãs de Medranhos


As três irmãs de Medranhos

Nos Paços de Medranhos, as três irmãs, Rosário, Liara e Ariela, eram as únicas em todo o reino das Astúrias que viviam na serra, numa velha casa de pedra com vidros partidos e com apenas uma divisão, uma cozinha com um velho sofá já roído pelos ratos e contentavam-se com a pouca comida que arranjavam.
As três irmãs de Medranhos eram muito bonitas. Porém, como não tinham dinheiro, as suas roupas eram feitas de farrapos mal costurados. Ariela, de cabelos castanhos longos, a mais magra, mas também a mais gananciosa e invejosa, uma bela caçadora, não se conformava com a vida que tinham reservado para ela e então, invejava a vida das outras raparigas de Medranhos. Já Rosário, a irmã do meio, era alta, magra, com cabelo louro, olhos azuis, a mais ingénua, mas ao mesmo tempo a mais desconfiada. Liara, por sua vez, era gorda, ambiciosa, calculista e vingativa.
Numa manhã de outono, marcada pelo vento, as três irmãs de Medranhos preparavam-se para uma bela caçada antes da hibernação de alguns animais, sentindo-se, de facto, esfomeadas por não encontrarem o que caçar. Entretanto chegaram, então, a um riacho situado na mata de Roquelanes e lá no fundo, atrás de uma enorme pedra, encontraram um baú de ferro que continha três chaves.
- Será que é um tesouro? – questionou Rosário, com os olhos a brilhar.
- Achas?! – exclamou Ariela – Com a nossa sorte, deve ser antes um daqueles baús já velhos de há muitos anos.
- Vamos abrir! – disse Liara, curiosa.
Elas, cada uma com a sua chave, rodaram as três ao mesmo tempo, e quando levantaram a tampa, viram que dentro até às bordas o baú estava cheio de dobrões de ouro já repartidos por pedaços de madeira. Elas ficaram perplexas e quando deram conta, não paravam de dar pulos de alegria. Ariela, a mais inconformada, agarrou em alguns dobrões de ouro e atirou-os, caindo em cima de si, enquanto as outras não paravam de rir e de saltitar. Momentos depois, colocaram os dobrões de ouro no baú.
Já a caminho de casa e com o baú, as três irmãs de Medranhos pensavam na primeira coisa que iam fazer com o ouro. Rosário pensava em reconstruir a sua casa e como teria um bonito jardim; Ariela queria um guarda-roupa para poder guardar a sua roupa e as suas joias que haveria de comprar, já Liara não ia tão longe, só queria um belo banquete, quando chegasse a Medranhos.

Mariana Serra, nº 19, 8º F

Sem comentários:

Enviar um comentário