Equipa d´O Ciclista

Clube de Jornalismo O Ciclista:

Coordenação: Dra. Graça Matos e Dra. Sara Castela

Alunas: Adriana Matos, Ana Neta, Beatriz Agante e Matilde Santos

Alunos: André Castro, Henrique Ferreira

Dra. Miquelina Melo – Membro Honorário

Endereço de correio eletrónico - cj.eb23anadia@gmail.com

segunda-feira, 10 de junho de 2013

Dia de Portugal de Camões e das Comunidades Portuguesas

10 de Junho de 2013



Luís Vaz de Camões


Luís Vaz de Camões foi um poeta de Portugal, considerado uma das maiores figuras da Literatura Portuguesa e um dos grandes poetas do Ocidente.
  Pensa-se que terá nascido em Lisboa ou em Coimbra, em 1524 / 1525, tendo morrido no dia 10 de junho de 1580, em Lisboa. Pouco se sabe com toda a certeza sobre a sua vida.
  Como já referi anteriormente, pensa-se que terá nascido em Lisboa, de uma pequena família da nobreza. Sobre a sua infância tudo é conjetura mas, ainda jovem, terá recebido uma sólida educação nos moldes clássicos, dominando o latim, conhecendo a literatura e a história antiga e moderna. Pode ter estudado na Universidade de Coimbra, mas a sua passagem pela escola não é documentada.
Frequentou a corte de D. João III, iniciou a sua carreira como poeta lírico e envolveu-se, como narra a tradição, em amores com damas da nobreza e possivelmente plebeias, além de levar uma vida boémia e turbulenta. Diz-se que, por conta de um amor frustrado, se autoexilou em África, alistado como militar, onde perdeu um dos olhos numa batalha. Voltando a Portugal, feriu um servo do Paço e foi preso. Perdoado, partiu para o Oriente. Passando lá vários anos, enfrentou uma série de adversidades, foi preso várias vezes, combateu ao lado das forças portuguesas e escreveu a sua obra mais conhecida, a epopeia nacionalista: "Os Lusíadas". De volta à pátria, publicou "Os Lusíadas" e recebeu uma pequena pensão do rei D. Sebastião pelos serviços prestados à coroa, mas nos seus anos finais parece ter enfrentado dificuldades para se manter. Foi Gonçalo Coutinho que mandou esculpir a pedra do seu túmulo na qual está escrito o seguinte:
"Aqui jaz Luís de Camões,
Príncipe dos poetas de seu tempo.
Viveu pobre e miseravelmente e assim morreu".

Gonçalo Domingues, nº 13, 9º D

Dia 10 de Junho

Hoje comemora-se o Dia 10 de Junho, Dia de Camões, Dia de Portugal e Dia das Comunidades Portuguesas.
É chamado Dia de Camões, pois pensa-se que Luís Vaz de Camões terá falecido nesse dia, em 1580.
Luís Vaz de Camões foi um dos maiores poetas portugueses, nascido em Lisboa por volta de 1524. Provinha de uma família pobre que no entanto pertencia à nobreza e, sendo assim, ele pôde ter contacto com os clássicos gregos e latinos, ler os livros mais importantes como os poemas de Homero, histórias sobre as aventuras de Ulisses, e os poemas de Virgílio, narrando as navegações de Eneias.
Apesar de ter sido um grande poeta, foi também um grande patriota e um grande soldado. Defendeu Portugal tanto nas guerras em África como na Ásia. Em 1547, partiu para Ceuta, depois de ter estado na corte de 1542 a 1545. Em Ceuta perdeu um olho, quando lutava a favor de D. João III.
Quando voltou a Lisboa, envolveu-se em conflitos e esteve um ano preso, e foi aí que se diz ter escrito o I canto do célebre poema épico: "Os Lusíadas".
Quando foi libertado, regressou a Goa e depois a Macau, onde dizem ter escrito mais 6 cantos, numa gruta.
Quando foi de novo chamado a Goa, esteve envolvido num naufrágio e diz-se que ele terá ido até à costa a nado só com um dos braços, visto no outro levar consigo a sua tão próspera obra.
Foi a descida do Oceano Atlântico, a passagem do Cabo da Boa Esperança e todas aquelas paragens que levaram Camões a glorificar na sua obra os lugares por onde a armada de Vasco da Gama tinha já passado, lugares esses que muito custaram a "descobrir", razão ainda para dignificar o povo lusitano.
Regressou a Lisboa em 1569 e, em 1572, publicou “Os Lusíadas”. Foi-lhe concedida por D. Sebastião uma tença anual de 15 mil reis que só recebeu durante três anos, pois faleceu no dia 10 de junho de 1580 em Lisboa, na miséria, vivendo de esmolas.


Ana Patrícia Fernandes, nº 2, 9º C / O Ciclista

Sem comentários:

Enviar um comentário