Equipa d´O Ciclista

Clube de Jornalismo O Ciclista:

Coordenação: Dra. Graça Matos e Dra. Sara Castela

Alunas: Adriana Matos, Ana Neta, Beatriz Agante e Matilde Santos

Alunos: André Castro, Henrique Ferreira

Dra. Miquelina Melo – Membro Honorário

Endereço de correio eletrónico - cj.eb23anadia@gmail.com

segunda-feira, 31 de julho de 2017

O caçador e o leão



Era uma vez um caçador que queria caçar um leão. Mas ele tentava, tentava, tentava e nunca conseguia apanhar nenhum.
Certo dia, o caçador foi tentar caçar numa gigantesca floresta. E… viu um leão! Ele tentou apanhá-lo, mas não conseguiu, pois este era um leão grande e feroz. Nessa noite, quando estava a ir para casa, desiludido de não ter conseguido apanhar o leão, viu o animal que tinha visto durante o dia muito aleijado. O caçador pegou, então, no leão e cuidou, muito delicadamente dele. Depois do leão recuperar, o caçador voltou a soltá-lo na floresta.
Depois do caçador o soltar, ele continuou a ser muito feroz. Até que um dia, vinda não se sabe de onde, apareceu uma cadeira mágica que, depois de ver aquele leão, mau e feroz, lhe disse:
- Meu caro leão, desde que aqui cheguei, tenho andado a ver-te a magoar os outros animais, a tentar ser mais do que eles, como se eles fossem teus escravos. Eu acho que tu deverias ser mais respeitador e amigo. Afinal, vocês são todos animais e não devia haver diferenciação alguma. Tu és um leão tão bonito, esse pelo dourado e essa juba que voa na brisa suave…

- Não, não e não! Aqui quem manda sou eu! – resmungou o leão.
A cadeira mágica não insistiu mais. Mas, numa noite, quando o leão estava a dormir, ela lançou-lhe umas palavras que pareceram ter um toque de magia:
- “Não tentes ser bem-sucedido, tenta antes ter valor”!
Na manhã seguinte, o leão estava diferente. Os seus olhos brilhantes reluziam com o sol, o seu pelo dourado brilhava e a sua juba tão bela esvoaçava ao vento. Ele passava pelos animais e cumprimentava um por um, ajudava aqueles que estavam doentes e se sentiam sós e dava comida àqueles que necessitavam.
Passados uns dias, o caçador voltou àquela floresta. Entretanto estava a escurecer e o caçador estava cheio de sede e de fome, e, quando andava à procura de alguma comida e bebida, deparou-se com o leão. Mas… desta vez o leão não o atacou nem o caçador o tentou caçar.
A partir daquele dia, tornaram-se grandes amigos e o caçador nunca mais se dedicou à caça e passou a cuidar de animais doentes ou com alguns ferimentos.
Maria Luís, 7.º F

Sem comentários:

Enviar um comentário