Equipa d´O Ciclista

Clube de Jornalismo O Ciclista:

Professoras: Dra. Graça Matos e Dra. Sara Castela

Alunas: Adriana Matos, Ana Neta, Beatriz Agante, Matilde Santos e Sofia Pedrosa

Alunos: Daniel Almeida, Henrique Ferreira, João Rocha e Tomás Antunes

Dra. Miquelina Melo – Membro Honorário

domingo, 28 de julho de 2013

Dia Mundial e Nacional da Conservação da Natureza



A História dos Oceanos



Há muitos, muitos anos atrás, existia um grande e vasto oceano chamado Pantalassa.
Pantalassa tinha uma grande amiga, a Pangeia. Ambas brincavam todos os dias desde o nascer ao pôr do sol, mas depois seu pai mandava-a ir descansar e prometia que, no dia seguinte, poderiam brincar novamente.
Pantalassa adorava Pangeia mas sentia-se muito diferente dela. Na verdade, elas eram os opostos, como yin-yang, isto é, a água e o fogo.
Pangeia era terra e Pantalassa era água. Esta sentia-se, de facto, sozinha e diferente e seu pai, como qualquer outro pai, não gostava de ver a sua filha triste, por isso criou um amigo para ela, o Tétis que também era um oceano.
Pantalassa e Tétis eram assim vizinhos e acabaram por crescer juntos. Sempre gostaram muito um do outro, eram completamente apaixonados. Cerca de 65 milhões de anos depois, Pantalassa e Tétis casaram e tiveram um filho chamado Pacífico. Entretanto, Pantalassa ficou muito doente e fraca e, passados uns tempos, acabou por morrer.
Tétis ficou profundamente destroçado e acabou por morrer também, de desgosto deixando assim o seu pequeno filho sozinho. Seu avô, como não queria que este ficasse sozinho, acabou por criar para o seu querido neto duas novas companhias, o oceano Atlântico e o Índico. Vivem todos até aos dias de hoje muito felizes e em harmonia. Porém, devido ao ser humano, uma das criações de Deus, nosso pai, estão a sofrer alterações.
Temos, então, que cuidar deles, pois são essenciais para a nossa existência e não existem iguais.


Beatriz Almeida Santos, nº 4, 8º C

1 comentário:

  1. Parabéns Beatriz pelo teu belíssimo texto.
    Graça Matos

    ResponderEliminar