Equipa d´O Ciclista

Clube de Jornalismo O Ciclista:

Professoras: Dra. Graça Matos e Dra. Sara Castela

Alunas: Adriana Matos, Ana Neta, Beatriz Agante, Matilde Santos e Sofia Pedrosa

Alunos: Daniel Almeida, Henrique Ferreira, João Rocha e Tomás Antunes

Dra. Miquelina Melo – Membro Honorário

domingo, 1 de setembro de 2013

Joana Pereira Moniz - Menção Honrosa Género Narrativa Ensino Secundário

Parte I

Umas férias e um mistério

Acordei numa manhã de verão alegre e perfumada, com o sol irradiando pela abertura da tenda para me sussurrar que um novo dia tinha nascido, dia esse que seria o primeiro dia das férias no parque de campismo na foz do Guadiana, a escassos quilómetros da praia.
Pelo canto do olho, observei que a Ana, a minha melhor amiga, continuava no seu sono profundo. Saí da tenda e, envolto no brilho resplandecente daquela manhã estava o Mateus, sentado num tronco de árvore, a preparar o nosso pequeno-almoço.
-Bom dia! – saudou-me ele com uma alegria notória na face.
-Bom dia! – retorqui eu.
Conheci o Mateus na primavera, quando comecei a frequentar o grupo de teatro da minha terra e achava-o perfeito. Escusado será dizer que fiquei radiante quando, no primeiro dia de aulas do 10º ano, o vi entrar na minha sala de aula com a sua alegria natural e a expressão misteriosa nos seus olhos. Todos os dias de manhã passávamos sorrateiramente um pelo outro a entrar para as salas e saudávamo-nos apenas por sorrisos. Nas aulas, encontrava-o muitas vezes a olhar para mim, mas, devido à timidez, nunca tínhamos mantido uma conversa fluente. Até que no dia dos seus anos eu ganhei coragem e desejei-lhe um feliz aniversário. No fim das aulas desse dia, ele convidou-me para comer um gelado. Fomos a pé até ao café do senhor José e, saboreando o gelado, prosseguimos até ao parque onde passeámos entre as árvores envoltas em mistério. Conversámos sobre as aulas daquela manhã, vimos os patos e demos comer aos peixes do lago. Até que o pôr-do-sol chegou e com ele o seu brilho, que nos envolveu numa nuvem de ternura indescritível. Enquanto eu admirava a beleza do astro-rei, Mateus propôs-me que passássemos as próximas férias juntos. Aceitei o convite e agora ali estávamos nós (eu, ele e a Ana).
Depois do meu banho matinal sentia-me especialmente feliz naquelas que eram as minhas primeiras férias num parque de campismo. Acordei a Ana e juntos tomámos o pequeno-almoço com a bênção de um sol luminoso e árvores verdejantes.
Nesse dia combinámos ir à praia, visto termos aderido a uma campanha de limpeza do mar “Um mar limpo para um planeta azul”. Enfim, encontrámos muitos objetos a poluírem o mar: garrafas vazias, redes de pesca rasgadas, pedaços de toalhas de praia, …

No decurso desse dia, percebemos o significado de trabalho conjunto e a importância de preservar o oceano. Ao final do dia, já no aconchego da nossa tenda, relembrámos as aulas de Ciências Naturais, nas quais tínhamos falado das marés negras e da destruição que estas causam ao nível da fauna e da flora, destruição essa que em alguns casos era irreversível. Recordámos também algumas fotografias do Greenpeace que vimos na palestra de sensibilização, que nos marcaram a todos pela realidade da poluição dos oceanos que as mesmas transmitiam.

Continua ...

Sem comentários:

Enviar um comentário