Equipa d´O Ciclista

Clube de Jornalismo O Ciclista:

Coordenação: Dra. Graça Matos e Dra. Sara Castela

Alunas: Adriana Matos, Ana Neta, Beatriz Agante e Matilde Santos

Alunos: André Castro, Henrique Ferreira

Dra. Miquelina Melo – Membro Honorário

Endereço de correio eletrónico - cj.eb23anadia@gmail.com

quarta-feira, 11 de abril de 2018

Fernando Pessoa e os seus heterónimos- com qual deles me identificarei?



O Modernismo Português surge com um conjunto de acontecimentos artísticos e literários, como a revista Orpheu, que foi divulgada em 1915. Fernando Pessoa, Mário de Sá Carneiro, Almada Negreiros, entre outros, formaram o grupo que fez nascer esta revista, que suscitou reações de indignação e escárnio nos leitores.
Fernando Pessoa é a personalidade mais importante do Modernismo Português. Desde muito cedo que este esteve relacionado com a leitura, com a perda e a separação. Com todos os acontecimentos, ao longo da sua vida, o poeta, como ortónimo, escreveu sobre o fingimento, a cisão entre o sentir e o pensar, a dicotomia sonho/realidade, as saudades da infância, entre muitos mais.
Apesar de ter escrito como ortónimo, também escreveu na pele de vários heterónimos, ao longo da sua vida. A palavra heterónimo deriva do grego e significa outro nome. Desta maneira, o poeta personifica-se. Da sua obra heteronímica, os seus heterónimos mais conhecidos são Alberto Caeiro, Ricardo Reis e Álvaro de Campos.
Começando pelo primeiro, Alberto Caeiro recusa a metafísica e tem uma visão objetiva da Natureza. Este procura uma aprendizagem espontânea e natural através dos sentidos. Ricardo Reis é o poeta da sabedoria do passado, da tradição cultural da idade clássica que com ela constrói uma sabedoria pessoal, a que quer viver. Por fim, Álvaro de Campos é o poeta da modernidade: a civilização e a técnica do mundo contemporâneo, mas também sensível com depressões nervosas e inadaptações. Três heterónimos, três artes: uma arte de ser; uma arte de sentir; uma arte de viver.
Desta feita e tendo em conta os três heterónimos, identifico-me mais com Alberto Caeiro, um poeta das sensações. Para Caeiro, sensacionismo não é só arte, mas também uma ciência e uma moral. Primeiro de tudo, este poeta é um bucólico, da Natureza; tal como diz no seu poema “Eu nunca guardei rebanhos”, ele segue-a porque a aceita serenamente tal como ela é. Vive das sensações e sente sem pensar, pois não procura nenhum sentido para a vida ou para o universo, bastando-lhe aquilo que vê e sente em cada momento. Por isto, Caeiro privilegia em especial o sentido da visão e tudo o que aprende e apreende à luz do dia. Assim, a visão é tão especial para ele que Caeiro, no poema “Eu nunca guardei rebanhos”, refere que fica triste com o fim do dia, pois, quando cai a noite sobre a Natureza, é-lhe impossível ver com nitidez. Desta forma, o poeta faz uma recusa do pensamento o que lhe permite que seja mais feliz, viver sem dor e, até mesmo, morrer sem desespero. De facto, para ele “pensar é estar doente dos olhos” e, quando pensamos, o mundo fica incerto. Para este poeta, o pensamento interfere com a sua perceção do mundo que o rodeia. Assim, aceita o mundo, o universo, a realidade tal como ela é, sem a questionar e, desta forma, vive calma e naturalmente.
Para finalizar, o grande motivo pela qual me identifico com Alberto Caeiro é pelo facto de ele não racionalizar as sensações, o que o conduz a uma certa ingenuidade, autenticidade, naturalidade e espontaneidade, para que assim seja feliz.
Sara Baetas, n.º 17, 12.º I – Profissional

Sem comentários:

Enviar um comentário