Equipa d´O Ciclista

Clube de Jornalismo O Ciclista:

Coordenação: Dra. Graça Matos e Dra. Sara Castela

Alunas: Adriana Matos, Ana Neta, Beatriz Agante e Matilde Santos

Alunos: André Castro, Henrique Ferreira

Dra. Miquelina Melo – Membro Honorário

Endereço de correio eletrónico - cj.eb23anadia@gmail.com

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

1.º de Dezembro de 1640



A perda da Independência de Portugal ficou a dever-se, para além de outros motivos, à morte de D. Sebastião, em Alcácer Quibir e ao facto de este não deixar um sucessor direto. Foi, assim, coroado Filipe II de Espanha, que, nas cortes de Leiria em 1580, na sua tomada de posse prometeu zelar pelos interesses portugueses e respeitar as suas leis, os usos e os costumes.
Todavia, as ditas promessas foram desrespeitadas e os privilégios dos cidadãos começaram a desaparecer, levando Portugal a ficar sob a total subalternidade espanhola durante 60 anos (1580 a 1640).
Motivados pelo domínio espanhol sobre Portugal e às injustiças e desrespeitos cometidos por eles, um grupo de 40 fidalgos, pertencentes ao clero e à nobreza, organizou-se e criou um movimento conspirador para a recuperação da independência.
No dia 1 de dezembro de 1640, este grupo introduziu-se no Paço da Ribeira, na residência da representante da coroa espanhola, a Duquesa de Mântua e mata o secretário Miguel de Vasconcelos. De seguida, a partir da janela proclama D. João, Duque de Bragança, como rei de Portugal, o que veio a ser festejado não apenas em Lisboa, mas com jubilação por todo o Portugal.
O Ciclista


Sem comentários:

Enviar um comentário