Equipa d´O Ciclista

Clube de Jornalismo O Ciclista:

Coordenação: Dra. Graça Matos e Dra. Sara Castela

Dra. Miquelina Melo – Membro Honorário

Endereço de correio eletrónico - cj.eb23anadia@gmail.com

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Clima em Direto



O grupo de Geografia, mais propriamente a Dra. Graça Matos, em colaboração com os professores que lecionam o 9.º ano do grupo de Físico-Química, organizaram toda a dinâmica para tornar possível que os alunos do 9.º ano e alguns do 10.º ano da Escola Básica e Secundária de Anadia assistissem à conferência sobre mudanças climáticas. Porém, esta conferência intitulada “Clima em Direto” foi bem diferente de qualquer uma já realizada. A Sala Multiusos da Escola foi o local que prendeu a atenção dos alunos ao ecrã, naquela que foi a primeira transmissão em live streaming realizada em Escolas do Agrupamento.
Esta tecnologia permitiu aos alunos e professores de vários pontos do país, interagissem em tempo real com especialistas na área das alterações climáticas.
A transmissão do evento, assegurada pela equipa da Unidade de Tecnologias Educativas da Universidade do Porto, foi dinamizada pela equipa do Clima@EduMedia
A tecnologia utilizada possibilita um número ilimitado de participantes, permitindo acompanhar este evento em tempo real, a partir da web, pelo que permitiu a ligação da nossa e de muitas outras escolas do país ao Porto, local onde a Conferência decorreu. Para assistir à conferência em direto bastou à nossa, bem como a todas as escolas que participaram na conferência, aceder a uma hiperligação disponibilizada pela organização.
Esta iniciativa foi estruturada com o objetivo de sensibilizar a comunidade educativa e estudantil para a importância das alterações climáticas. Os especialistas convidados, Professor Dr. Pedro Pinho e Professora Dra. Ana Margarida Faria, abordaram o tema da Biodiversidade na perspetiva das mudanças do clima.
O Professor Dr. Pedro Pinho, doutorado em Biologia-Ecologia, é investigador da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e o seu trabalho centra-se na utilização da vegetação para perceber os efeitos de diversas alterações ambientais na estrutura e funcionamento dos ecossistemas.
A sua investigação recai sobre os ecossistemas Mediterrânicos, sobretudo o montado, mas também sobre os ecossistemas urbanos, centrando-se nas alterações da biodiversidade, incluindo a biodiversidade funcional e estrutura dos ecossistemas, medidos no campo ou através de imagens aéreas e de satélite.
Abordou as alterações ambientais que estuda, nomeadamente as alterações globais e alterações climáticas, no ciclo do azoto, do uso do solo e da biodiversidade.
Explicou o que era o IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change - Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas), tendo baseado algumas das explicações dadas nos relatórios/gráficos por eles produzidos.
Falou sobre os gases de efeito de estufa, particularmente o CO2, nomeadamente a participação das atividades humanas na sua crescente emissão e na consequente alteração climática. Neste ponto, apresentou as alterações climáticas portuguesas, bem como os possíveis cenários, particularizando a situação de Portugal Continental. Fez referência à vegetação aclimatada, especificando algumas espécies arbóreas, como a azinheira, o sobreiro, o pinheiro bravo, e o carvalho, cuja distribuição, segundo os estudos realizados, são influenciados pelo clima. Denota-se que estas espécies tendem a emigrar em dois sentidos, para o litoral e para Norte.
Este especialista debruçou-se, também, sobre as ilhas de calor, que ocorrem em todos os centros urbanos, mencionando os dois grandes centros nacionais, como Porto e Lisboa em que os efeitos climáticos locais são uma realidade. Apresentou a situação particular da cidade de Lisboa e mostrou que a variação entre o centro e a periferia das cidades pode variar entre 4º C a 5º C.
Finalmente, expôs o problema da mitigação e da adaptação, referindo que se diminuirmos o consumo energético estamos a mitigar o efeito das alterações climáticas. Aludindo ao facto de esta redução, levar a uma diminuição das emissões de CO2, que é um dos objetivos das Nações Unidas.
A Profª. Dra. Ana Faria, a outra especialista que conferenciou, após doutorar-se na área de Ecologia Marinha, na Universidade do Algarve, em 2010, iniciou a sua investigação no Instituto Universitário, integrando o Centro de Investigação MARE (Centro de Ciências do Mar e do Ambiente). Atualmente mantém-se no MARE onde, a par da investigação, é também docente na Licenciatura em Biologia e no Mestrado de Biologia Marinha e Conservação. Recentemente ganhou uma Medalha de Honra L’Oréal Portugal para as Mulheres na Ciência 2016, com um estudo sobre o impacte das alterações climáticas no desenvolvimento dos peixes. 
A investigadora começou por referir que uma das ameaças aos ecossistemas marinhos é a acidificação dos oceanos. Esta é, segundo referiu, um outro problema das alterações climáticas. Acrescentou que atualmente se fala muito em alterações climáticas, dado serem uma das maiores ameaças e dos maiores desafios que a humanidade enfrenta. Disse que, embora já tenham ocorrido alterações em outros períodos da História da Terra, aquelas que o nosso planeta está a sofrer atualmente são bastante graves por ocorrerem a um ritmo muito mais rápido. Terá, por isso, de se perceber até que ponto as espécies vão ser afetadas e se vão ter a capacidade de adaptação a estas alterações.
Para ela, tudo começa nos oceanos, dado estes serem os principais responsáveis pela absorção da maior parte do calor que atinge a superfície terrestre, bem como pela absorção do CO2. Ou seja, os oceanos são importantes pelo papel que detém no controlo da temperatura. O problema é que o crescente aumento de CO2 na atmosfera afeta a capacidade de regulação da temperatura por parte dos oceanos, assistindo-se ao aquecimento global. Todavia, esta não é, como referiu, a única alteração que decorre da alteração do CO2, pois acresce-se a acidificação dos oceanos. O CO2 é absorvido pela água do mar e provoca neste importantes alterações químicas.
Destacou como efeitos da acidificação das águas dos oceanos a nível das espécies marítimas o seu lento crescimento, as elevadas taxas de mortalidade, a incapacidade de reconhecer odores de predadores e habitats, a incapacidade de reconhecer sons de habitats e os maiores comportamentos de risco, o que os torna mais vulneráveis à predação. Em termos ecológicos e económicos salientou a perda da biodiversidade.
Interessante foi o exemplo do Nemo, sobre o desenvolvimento e comportamento dos peixes, em particular nas fases iniciais de vida, para explicar a capacidade que os peixes têm em rececionar estímulos do meio ambiente. Segundo estes estímulos, o pequeno peixinho teria chegado a casa, sem necessitar da ajuda dos seus amigos. Referiu o facto de o oceano não ser um ambiente silencioso, mas um ambiente cheio de sons, que são utilizados pelos organismos como pistas sensoriais.
Após transmitidas as exposições, as escolas tiveram 10 minutos de discussão e preparação de questões aos especialistas. Embora, dado o escasso tempo e o elevado número de escolas que estava em linha, e o consequente excessivo número de questões colocadas (cada escola podia colocar até três) não foi possível responderem em tempo real. Aguarda-se a resposta à questão colocada pela aluna, Maria Almeida, do 9.º A, da nossa escola no sítio do Clima@EduMedia
 “Se há tantos problemas com a emissão de CO2 motivada pelas atividades humanos. Questionamos o motivo de não ter sido abordada a emissão de CO2 pelos animais e pelos vulcões que sabemos que é significativamente maior.”

Para visualizar a conferência siga a hiperligação:


Sem comentários:

Enviar um comentário